Profissionais e organizações do setor têm sofrido com efeitos nefastos da pandemia

Cultura | Universidade do Minho coordena estudo sobre impacto da Cultura em Portugal

Cultura | Universidade do Minho coordena estudo sobre impacto da Cultura em Portugal

Pub

 

 

A Universidade do Minho, através do Observatório de Políticas de Comunicação e Cultura, está a estudar o impacto da Covid-19 no setor cultural português. A investigação, coordenada por Manuel Gama, acontecerá até março de 2021 medindo a forma como a pandemia afeta o setor que viu milhares e eventos adiados e cancelados, deixando emsituação dramáticaorganizações e profissionais de cultura.

 O estudo, iniciado no passado mês de março, mede o impacto mediático e o fluxo de notícias sobre os efeitos da Covid-19 no setor cultural nacional, assim como analisa as iniciativas do Governo e avalia os impactos esperados e observados que a pandemia teve e terá nos profissionais e organizações do setor.

A primeira fase desta investigação conclui que existe um “número reduzido de referências explícitas à cultura” na análise que foi feita a sites de jornais nacionais e de municípios e entidades intermunicipais. Manuel Gama explica que nessas referências há um “nítido predomínio do enfoque nos impactos negativos” da Covid-19 no setor. O estudo revela ainda que “o papel dos serviços, organismos e entidades da administração direta ou tutelados pelo Ministério da Cultura (…) em alguns casos se consubstanciou numa atitude passiva e inoperante“.

Danos irreparáveis no setor artístico e cultural?

 Já os profissionais e organizações do setor afirmam, através das respostas deixadas ao questionário elaborado, que “se não forem tomadas medidas urgentes, substantivas e estruturantes, o setor cultural português poderá sofrer danos irreparáveis fruto da pandemia”. Os dados recolhidos revelam que, “para além das perdas imediatas que as medidas transversais e setoriais não estão a ser capazes de dar uma resposta cabal, no final de 2020 poderemos assistir, para além de um agudizar da precarização, um incremento no desemprego de profissionais do setor cultural que tinham contratos de trabalho”.

Assim, a primeira fase deste estudo apresenta, desde já, uma conclusão parcial: “os impactos da Covid-19 no setor cultural português são, e serão, muitos, diversificados e nefastos para o frágil tecido cultural português”.

 Relatório enviado para a tutela e estudo em contínuo até março de 2021

O estudo será desenvolvido em quatro fases. A realização será efetuada por uma equipa multidisciplinar, que integra ainda Rui Vieira Cruz, Daniel Noversa e Joana Almada, cumpre uma das missões do POLObs (observar a atividade cultural) e servirá para criar documentos que permitam lançar olhares sobre o fenómeno. Este primeiro relatório será enviado para a tutela e todos os organismos da administração pública ligados à cultura.O próximo documento a ser publicado deverá estar concluído em julho deste ano e compila os dados recolhidos até ao final do mês anterior. Em janeiro de 2021 estará disponível outra versão, com os dados recolhidos até dezembro. Em março de 2021 será publicada a última parte do estudo, que reflete um ano da Covid-19 em Portugal e a sua influência no setor cultural.

 

Fonte e Imagem: UM

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.