Desenvolvimento económico beneficia comunidade

Finanças | Prestação de contas de 2019 espelha evolução de políticas e projetos em Santo Tirso

Finanças | Prestação de contas de 2019 espelha evolução de políticas e projetos em Santo Tirso

Pub

 

 

O Município de Santo Tirso apresentou, em 2019, um aumento de 9,3 por cento nas receitas, face ao ano anterior, em virtude do desenvolvimento económico que se tem vindo a registar no concelho.  Por outro lado, o Relatório e Contas de 2019 regista um resultado líquido histórico e uma poupança corrente de sete milhões de euros, uma das mais altas de sempre, consolidando ainda uma descida da dívida que, desde 2013, já diminuiu 18 por cento.

“A prestação de contas [de 2019] espelha as políticas viradas para as pessoas e para as empresas e os números mostram uma gestão responsável, equilibrada e rigorosa que só nos pode orgulhar”, destaca Alberto Costa, o presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso.

O relatório da prestação de contas relativo ao ano anterior foi aprovado esta quinta-feira, por maioria, na reunião do executivo camarário. O documento dá continuidade à trajetória iniciada pelo executivo em 2013 e acompanha a evolução das políticas e projetos pensados para o Município. “Em 2019, Santo Tirso voltou a melhorar o nível de vida da população e encerrou o ano ainda melhor preparado para, estruturalmente, dar corpo às políticas sufragadas pela população de Santo Tirso”, afirma o autarca tirsense.

Em 2019, Santo Tirso consolida os indicadores positivos em dimensões contabilísticas estruturantes, seja ao nível do endividamento, da capacidade de endividamento, da dívida de curto, médio e longo prazo ou dos valores de investimento. Comparativamente a 2018, a receita municipal cresceu 3,4 milhões de euros, o que se traduz num aumento de 9,3 por cento. Alberto Costa garante que os resultados se encontram diretamente relacionados com a fase de desenvolvimento económico que o concelho atravessa. “É importante perceber que esta subida não está relacionada com a carga fiscal, já que, essa, se manteve em linha com a opção política tomada por este executivo de aliviar as famílias e as empresas em cerca de dois milhões por ano”, explica, sublinhando o facto de o ambiente económico municipal ser “a razão da subida da receita”.

No relatório da prestação de contas, fica ainda evidenciado o resultado líquido de 2,9 milhões de euros, o valor mais alto desde que este executivo municipal tomou posse, quando, em 2014, fora negativo em 2,3 milhões de euros. Paralelamente, surge uma poupança corrente de 7 milhões de euros, uma das mais altas, e a uma taxa de execução a atingir os 76,5 por cento.

Alberto Costa defende que este é um “exercício de transparência e responsabilidade, priorizando a população e os agentes económicos”. Em termos absolutos, o Município investiu mais em 2019 do que no ano anterior: 11,6 milhões de euros para 10 milhões, ou seja, mais 1,6 milhões de investimento. “Mais de 60 por cento dos investimentos foram dirigidos às funções sociais e registamos um boom empresarial, com entrada de investimento privado e crescimento das empresas locais, e do mercado imobiliário”, recorda o autarca.

“As empresas tiveram melhores condições para crescer, por via do alívio da carga fiscal, e outras optaram por se instalar em Santo Tirso devido às condições de atração de investimento; as famílias vivem melhor, com devolução de rendimentos e apoios sociais, e, sempre que estão em causa as necessidades da população, em oposição às contas, não hesitamos em beneficiar a comunidade”, realça.

Na mesma linha, a dívida global voltou a cair, confirmando o esforço iniciado em 2013 de redução do passivo exigível, que, em seis anos, já foi encurtado 6,1 milhões de euros, o que representa uma queda de 18 por cento. O Município tirsense goza ainda de uma elevada taxa de endividamento, estimada em cerca de metade da capacidade máxima permitida por lei.

Fonte e Imagem: Município de Santo Tirso

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.