António Manuel Reis

Abril | 25 de Abril: da deposição à liberdade

Abril | 25 de Abril: da deposição à liberdade

 

 

Estamos a caminho do cinquentenário dos dias 25.

Primeiro, do 25 de Abril de 1974, dia em que a ditadura foi deposta pela acção dos militares dando liberdade aos portugueses.

Porém nos dias e meses que se seguiram, não foi bem assim. A liberdade que muitos pensavam estar consolidada, não estava. O Partido Comunista Português queria a todo o custo impor em Portugal uma linha de rumo não democrática.

Surgiu então o 25 Novembro de 1975, dia em que os militares, sob o comando do general Ramalho Eanes, puseram estoicamente cobro à tentativa de instauração de uma ditadura comunista pro-soviética, restituindo ao povo aquilo com que tanto se regozijou, no dia da sua emancipação, a real, verdadeira liberdade, tal e qual hoje a conhecemos.

As novas gerações, não estão minimamente ligadas ao 25 de Abril. Para elas, este dia, está como o dia 5 de outubro ou o 1º de Dezembro pra as gerações anteriores, ou seja, num passado longínquo que merece conhecimento histórico.

O 25 de Abril é actualmente comemorado com esta pompa, circunstância palaciana, ao nível das festanças do Reino Português, na Assembleia da República, principalmente e respeitosamente pelas personalidades de idade avançada, isto é, prática e exclusivamente pelos intervenientes políticos do momento, por aqueles que ideologicamente sempre se aproveitaram da data como se fossem donos dela, como sua bandeira, de forma a sobreviverem politicamente, os fanáticos ideológicos e, também, os aproveitadores políticos.

Todo e qualquer português está agradecido aqueles que protagonizaram Abril e Novembro, sem os quais tardaria a alforria. Bem como aqueles que restauraram a Independência de Portugal, a 1 de Dezembro de 1640.

O tempo determina os factos históricos. São factos históricos, nada mais do que isso.

Este ano, devido à situação em que o Mundo, e em especial Portugal se encontram, devido à pandemia de Covid-19, era de elementar bom senso atender a determinadas datas e eventos, com prudência.

A comemoração do 25 de Abril, no Parlamento, é antítese da coerência e do bom senso.

Não pelo facto sanitário, pois sempre fui favorável, a um não lockdown total, desde que se cumprissem as normas básicas de segurança sanitária, mas principalmente pelos legisladores e executores do País tentarem imcumprir uma norma da DGS e desobedecerem a uma Lei, ao invés do que legislaram para toda a população portuguesa.

A democracia portuguesa está madura e, mais uma vez, nesta pandemia, a população e muitos dos convidados insurgiram-se contra esse atentado ao Estado de Direito, fazendo com que a AR, Presidente da Assembleia da República e o Governo recuassem e dessem o dito por não dito, reduzindo o número de pessoas, nessas comemorações, quase à insignificância.

Era tão simples. Bastava o Presidente discursar por videoconferência, aos deputados, como forma simbólica de comemoração.

Um bom exemplo foi dado pela Rainha do Reino Unido.

Era inadmissível que os portugueses estivessem inibidos nos seus direitos, liberdades e garantias, e os pilares do Estado, legislativo, executivo, com o beneplácito do judicial, não cumprissem esses pressupostos.

É bom recordar Abril.

Mas não haveria, hoje, Abril sem Novembro.

Estejamos atentos.

***

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking, multibanco ou mbway. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Categories: Crónica, Política, Sociedade

About Author

António Manuel Reis

António Manuel Reis, nasceu em Barcelos a 07-10-1963. Concluiu em 1985, o curso na área de tinturaria têxtil UM/Mazagão. Formação em colorimetria, recursos humanos, automatização, sistemas de qualidade ISSO, planeamento, processos, produção. Industrial Têxtil de 1996 a 2009. Dirigente desportivo 1998 a 2004.Gestor empresarial de 2010 a 2013. Concluiu curso de formação de formadores em 2014. Trabalhador independente Real Estate Consultan 2018. Em curso, Licenciatura Ciências Sociais e Ciência Politica. Militante da JSD desde 1978/ Militante PSD desde 1981, delegado e Observador a Congressos, Delegado CPD, TSD, Membro da CPS, candidato a Presidente de Junta da UF Barcelos, deputado a UF. Candidato á Presidência da CPS. Membro independente da UF Barcelos. Partido Aliança em 2018.

Write a Comment

Only registered users can comment.