José Ilídio Torres

Abril | “Haja Saudinha”…

Abril | “Haja Saudinha”…

Pub

 

 

Vem dos tempos dos meus avós a expressão, e certamente do tempo dos seus pais.

Nunca gostei dela, porque me parece que serviu sempre de bode expiatório ao que aparentemente não controlávamos, assim ao género de «Nosso Senhor nos valha», mas mais que isso, como desculpa para a inacção de todos.

Era assim uma coisa como, «Enfim», ou então, «O que é que se há-de fazer», coisas inócuas, sem princípio nem fim, que nos coçavam o lombo.

Chegamos a um tempo em que já não há tempo para desculpas. A pandemia trouxe ao de cima tudo o que de pestilento este mundo tem: ditadores,  idiotas, políticos de meia tigela, especuladores, e o sistema capitalista a estrebuchar.

Trouxe também o que de melhor tem a espécie humana: solidariedade, esperança, fraternidade, e, de certa forma, igualdade.

O vírus não escolhe classes e é bem mais democrático que muito populista de trazer por casa.

O vírus é afinal, mesmo com a sua letalidade, principalmente, uma oportunidade de mudança, de enterrar expressões antigas, mas, ao mesmo tempo, de cuidar daqueles que as diziam. Sabem porquê? – Porque a isso se chama amor e reconhecimento.

Reconhecimento por quem nos trouxe à vida, por quem de nós cuidou, passou sacrifícios, lutou para que fossemos gente, mesmo que se refugiasse em «Deus Pai», «Nossa Senhora, ou no «Espírito Santo»; mesmo que tenha rompido os joelhos em volta do santuário de Fátima.

Devemos-lhes a vida, temos a obrigação de fazer com que não a percam.

Quando vejo idiotas como Trump ou Bolsonaro a desdenharem das suas gentes, e mais que isso a terem apoio das massas, apetece-me pegar no velho revólver do meu avô e dar um tiro neste desassossego.

Os políticos do meu país, esses mereciam levar com um bolo de creme nas «bentas», assim como quem diz: – Querem comemorar? – Tomem lá!

Fazer uma comemoração do 25 de Abril no velho e bolorento sistema do discurso de coça-lombo, no lugar onde a democracia se serve a si mesma e depois aos outros, é  um desrespeito pela inteligência, pela criatividade.

Impunha-se uma mensagem de novidade, essa sim, verdadeiramente empreendedora, criando em todos a certeza da esperança.

Não foi esse o caminho.

Os senhores políticos, representantes de todos; dos palermas e dos inteligentes, dos analfabetos e dos cultos, dos fascistas (sim, que há ainda quem os represente) e dos democratas, dos “eficientes” e dos deficientes, dos ecologistas e dos poluidores, dos empresários e dos proletários, de ambos, resolveram comemorar a data.

Não faltarão por certo mensagens de carinho ao SNS, aos professores e outros, todos muito maltratados no tempo em que o vírus andava escondido na China das nossas bugigangas.

Resta-nos porventura a esperança torpe de ligarmos o coração a uma fake-news, como aquela que diz que o mundo acaba a 29 de abril, em virtude do impacto de um meteorito com a terra.

Extinguir-se-iam novamente os dinossauros.

Era certo.

 

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Crónica, Sociedade

About Author

José Ilídio Torres

José Ilídio Torres nasceu em Barcelinhos em 1967. Estudou Direito e Arqueologia, mas acabou licenciado em ensino, variante de educação física, leccionando ao 1º e 2º ciclo do ensino básico. É formador em futebol há cerca de 20 anos. Trabalhou como jornalista na imprensa regional, em jornais como o Notícias de Barcelos e Primeiro de Janeiro, bem como na Rádio Cávado. É autor de 11 livros, em romance, conto, infanto-juvenil e poesia. Foi deputado municipal em Barcelos e candidato à Câmara Municipal pelo Bloco de Esquerda, tendo-se afastado recentemente da vida política activa.

Write a Comment

Only registered users can comment.