‘Será pedir muito à Assembleia da República que se adapte e faça o mesmo que a população?’

Abril | JSD de Barcelos estupefacta com decisão do Parlamento em relação às comemorações do Dia da Liberdade

Abril | JSD de Barcelos estupefacta com decisão do Parlamento em relação às comemorações do Dia da Liberdade

Pub

 

 

A Juventude Social Democrata de Barcelos, através da sua Comissão Política, manifesta total  estupefacção com a forma como será efetuada a celebração do 25 de Abril pela Assembleia da República.

Em nota emitida divulgando a sua posição, a estrutura local da JSD, coadjuvando a posição oficial do partido, assinala que se revê “numa celebração através das redes sociais e televisão ou, como o PSD apresentou ao presidente da Assembleia da República, numa sessão parlamentar com um deputado a representar cada bancada“.

Lembrando o facto de estarmos a viver “numa época totalmente atípica, onde todos abdicamos de comemorar a Páscoa, onde todos abdicamos de juntar a família para comemorar aniversários, onde todos abdicamos do luto e da última oportunidade para nos despedirmos de entes queridos ou mostrar a nossa solidariedade para com quem perde alguém próximo”, a JSD Barcelos não compreende a posição tomada pelo Parlamento quando “decide celebrar a data numa comemoração presencial” com muita gente, na verdade “um terço dos deputados à Assembleia da República mais convidados oficiais”.

Dececionada e entristecida com a decisão, a estrutura política da JSD de Barcelos interroga-se, temendo futuras abstenções em eleições: “Se é pedido à população para ficar em casa e são utilizadas outras formas de celebração, será pedir muito à Assembleia da República que se adapte e faça o mesmo que a população?

Não está, nem pode estar, em causa o comemorar o dia da liberdade. Mas a liberdade que abril trouxe era para todos e, por isso, apelamos a que a Assembleia da República reveja a forma como irá comemorar o 25 de abril”, conclui.

Fonte e Imagem: JSD

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Política

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.