José Ilídio Torres

Abril | A liberdade não está a passar por aqui

Abril | A liberdade não está a passar por aqui

Pub

 

 

Ninguém, em boa verdade, é capaz de prever o que se vai passar no mundo nos próximos tempos.

Numa coisa parecemos todos concordar, que é a mais que certa recessão económica global.

Foi precisa uma “nano-coisa”, que caberia infinitamente na cabeçorra de um tipo como Trump, tendo em conta o espaço vazio, ou que nadaria sem ETAR na tola de um “analfa-bruto”, como Bolsonaro, para que nada fosse igual ao que era.

Do ensino à distância ao tele-trabalho, da reformulação dos poucos negócios que se mantinham abertos, até à irremediável falência de milhões de micro e médias empresas, este vírus ceifa a torto e direito.

Milhões de desempregados em todo o mundo, famílias em colapso, refugiados à beira do abismo, migrantes em desespero.

Há só uma “coisa” à qual o vírus continua a não engordar, mas mata: a fome.

O vírus não mata a fome aos que já não tinham uma “nano-migalha”, nem voz, nem corpo, nem nada. Na África miserável da vergonha, na Ásia e na América Latina.

E esta Europa mentirosa? Que tem para oferecer aos que, a determinada altura acreditaram, nem que vagamente, na solidariedade, no conceito de unificação, de moeda comum e o raio que os parta?

Para onde caminha o velho e cada vez mais condenado continente?

Para a morte – digo eu.

Os factos mostram cada um a rumar para o lado que mais lhe interessa, e com isso o regresso de uma utopia chamada liberdade.

Alguma vez fomos livres? Escravizados pelo capitalismo sem rosto nem cara alguma?

Alguma vez o fomos na exigência de solidariedade e partilha?

Este vírus danado traz consigo o melhor e o pior de uma moeda com uma só face, que quando atirada ao ar dará sempre o mesmo resultado: ruína.

Ruína dos velhos edifícios morais, se o permitirmos, ruína da identidade, se deixarmos, ruína da liberdade, se não formos capazes de a levantarmos como bandeira de integridades.

Não faltam já por aí sintomas de retorno à velha senhora que nem a pandemia mata, e essa sim, nosso Senhor a levasse.

O retorno ao fascismo do preconceito, do ostracismo, e do cerceamento das liberdades fundamentais, tudo por causa de uma ”nano-coisa” na cabeça de muitas cabeças vazias.

Aplicações para sinalizar infectados? Reconhecimento térmico? Apps de telemóvel que nos afastam dos pestilentos? Enfermeiros e médicos convidados a mudarem de casa?

A casa da dignidade não expulsa ninguém, corre-lhe nas paredes sangue, um plasma de vida, que vírus nenhum, por mais alojado que esteja na tola de certos idiotas, há-de, algum dia que seja, desalojar.

Eu sou um puto de Abril, desenhei tanques e cravos, fiz composições com crianças a darem as mãos a militares. Não há-de ser qualquer pantomineiro a roubar-me o sonho de um mundo melhor.

Com ou sem celebrações, porque para celebrar o amor, só é precisa uma coisa muito simples:

– Um coração.

 

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking, multibanco ou mbway. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Crónica, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

José Ilídio Torres

José Ilídio Torres nasceu em Barcelinhos em 1967. Estudou Direito e Arqueologia, mas acabou licenciado em ensino, variante de educação física, leccionando ao 1º e 2º ciclo do ensino básico. É formador em futebol há cerca de 20 anos. Trabalhou como jornalista na imprensa regional, em jornais como o Notícias de Barcelos e Primeiro de Janeiro, bem como na Rádio Cávado. É autor de 11 livros, em romance, conto, infanto-juvenil e poesia. Foi deputado municipal em Barcelos e candidato à Câmara Municipal pelo Bloco de Esquerda, tendo-se afastado recentemente da vida política activa.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.