‘Um Velho que Lia Romances de Amor’ é o livro que deu a conhecer o autor em Portugal

Elegia | Luis Sepúlveda não resiste a dois meses de luta contra Covid-19

Elegia | Luis Sepúlveda não resiste a dois meses de luta contra Covid-19

Pub

 

 

Luis Sepúlveda não resistiu à infecção pela Covid-19. Dois meses depois de ter sido infectado com o Coronavírus, o escritor chileno morreu no Hospital Universitário das Astúrias, em Oviedo, Espanha, onde se encontrava internado. O autor de obras como “As Rosas de Atacama” e “O Velho que Lia Romances de Amor” tinha 70 anos. Este último livro deu origem a um filme de Rolf de Heer.

Luis Sepúlveda Calfucura nasceu na cidade chilena de Ovalle a 4 de Outubro de 1949. Filho de um militante comunista e de um enfermeira de origem mapuche, o escritor nasceu aquando da fuga dos seus pais à polícia, motivado pela não aceitação do casamento pelo seu avô.

Auto-descrito como “profundamente vermelho“, Luis Sepúlveda começou a militar na Juventude Comunista da Chile aos 15 anos. O seu primeiro livro, uma colectânea de poemas foi publicado dois anos depois. Esta obra viria a abrir portas para a sua carreira no jornalismo, quando um repórter do Clarín o contratou como redactor policial.

Em 1969 publicou o seu primeiro conjunto de contos, “As Crónicas de Pedro Nadie“. Devido à sua atividade política, o golpe militar de Augusto Pinochet, em 1974, conduziu à sua detenção. Em 1977, a pena de 28 anos de prisão foi comutada para oito anos de exílio. A deambulação por diversos países acabaria em 1997, ano no qual se estabeleceu no concelho asturiano de Gijón. Sepúlveda foi um dos fundadores do Salão do Livro Iberoamericano de Gijón, celebrado todos os anos na segunda semana de Maio.

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

Como qualquer outra, a Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Cultura

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Pedro Maia Martins

Esposendense de nascimento, barcelense de criação e conimbricense por hábito. Estuda Jornalismo e Comunicação na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Colaborou no passado com o Jornal Universitário de Coimbra - a Cabra e com a Revista Via Latina - Ad Libitum. Foi o último editor de País e Mundo do referido jornal. Colabora neste no momento com a Vila Nova Online e a Revista Bica.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.