Manuel Afonso

Memória | Era assim na minha aldeia

Memória | Era assim na minha aldeia

Pub

 

 

Naquele dia, calhou à Zezinha, menina asada, levar o Castanho (boi) ao lameiro onde o Tone tornava a água de lima.

Já fora da aldeia, seguia o caminho por entre piçarra e seixos, tendo que passar naquela maldita casa alagada. Contavam os antigos que por ali vagueavam almas penadas e quem ali passava tinha que defumar o corpo todos os anos.

Viu a cachopa do moleiro entretida a apanhar amoras silvestres.

– Ó Brasília, são boas? – perguntou.

O mostrenguinho não respondeu. O caminho, difícil de galgar, era usado pelos farristas do minério que por ali andavam à noute. Chamou pelo Tone, seu irmão, e, como de costume, perguntou:

– Onde estás, gebo? Ah! estás aí! Toma conta do animal e vê se o pensas bem!

No regresso, Zezinha apressou o passo para fugir àquela casa amaldiçoada construída sobre uma courela. Tinha que começar a preparar a janta, pôr o pote com água ao lume, as batatas e as coives.

Era assim na minha aldeia.

Imagens: (0) Manuel Afonso, (1) Manuel Afonso (arquivo pessoal)

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

Como qualquer outra, a Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Cultura

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.