José Ilídio Torres

Inquietação | E se o amor fosse uma pandemia?

Inquietação | E se o amor fosse uma pandemia?

Pub

 

 

Os tempos difíceis que vivemos têm mostrado um lado altruísta dos portugueses que andava adormecido, quiçá alienado.

Alienação parece-me aliás a palavra certa para descrever uma sociedade atordoada pelo consumo, pelo crédito, pelo umbigo.

Nestes dias de confinamento, em que ligamos definitivamente a ficha das tecnologias da informação e da comunicação, entram em nossa casa pela TV, pelas redes sociais, múltiplos exemplos de solidariedade, humanismo e forte responsabilidade social.

É certo que há também os inconscientes, os que acham que dá para dar umas “voltinhas”, apanhar um sol e “curtir” um passeio às grandes superfícies, mas cada vez menos, fruto também de medidas restritivas impostas pelas autoridades do estado.

Antes do vírus ameaçar a vida das pessoas, andávamos demasiado ocupados para pensar o que quer que fosse onde coubesse o outro.

Estou a exagerar? A generalizar? – sim estou, mas faço-o sem perder de vista aqueles que dão o melhor de si em todos os momentos da sua vida, para que os mais fragilizados, os mais desfavorecidos, possam sentir o conforto de uma refeição, de um cobertor, de um abraço, mesmo que agora não possa ser dado.

O estado, que devia proteger os seus, andava também ocupado em ser a alavanca da iniciativa privada, em viabilizar bancos falidos, em fundamentar políticas europeias duvidosas, sacrificando ao político o fundamental: o bem-estar dos cidadãos.

De repente toda a gente fala verdade, como se a mentira das políticas passadas tivesse sido apagada num lavar vigoroso de mãos entre dois parabéns a você.

Esta penitência, por mais bem intencionada que seja, deve ser fundamentada em políticas de largo alcance social, que protejam o emprego e as pequenas e médias empresas, responsáveis por uma enorme fatia do PIB.

As multinacionais vão sobreviver, e no pós-crise, vão estar em condições de potenciar os lucros, deslocalizando, reconvertendo a oferta, porque têm o background financeiro necessário, com interesses na própria banca, que, se querem saber, está-se marimbando para o «esquerdismo» momentâneo do líder da oposição – ela sabe que esta é uma oportunidade de ouro, como são todas aquelas surgidas do endividamento.

E pergunta o leitor, perante a aparente densidade desta dissertação: E que raio tem isto a ver com o título da crónica?

Tudo.

Sou daqueles inquietos que ainda acreditam que o amor é a alavanca de tudo o que a humanidade tem de positivo, apesar das guerras, da poluição, da xenofobia, do extremismo, da segregação, da ditadura do dinheiro e dos interesses.

Sou daqueles que acreditarão em pleno holocausto, que é possível renascer das cinzas, como a flor mais singela rasga a pedra, numa nesga de terra.

Sou daqueles que acha que o amor há-de sempre sobrepor-se ao ódio, o bem ao mal, por mais doloroso que possa ser o caminho.

Esta pandemia preocupa-me. Preocupa-me a perda de vidas, a dor das famílias, como me preocupam em igual medida aqueles que vão morrendo em vida dentro de nós, incapazes de lutar por um amor que não aquele nascido num take-away, num massajar permanente deste umbigo falso que alimentamos no baixo ventre.

A casa do amor é o coração, não tem portas nem janelas, e o tecto são as estrelas.

Saiba cada um acender a sua no firmamento.

Imagem: Michael Henry

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

Como qualquer outra, a Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Crónica, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

José Ilídio Torres

José Ilídio Torres nasceu em Barcelinhos em 1967. Estudou Direito e Arqueologia, mas acabou licenciado em ensino, variante de educação física, leccionando ao 1º e 2º ciclo do ensino básico. É formador em futebol há cerca de 20 anos. Trabalhou como jornalista na imprensa regional, em jornais como o Notícias de Barcelos e Primeiro de Janeiro, bem como na Rádio Cávado. É autor de 11 livros, em romance, conto, infanto-juvenil e poesia. Foi deputado municipal em Barcelos e candidato à Câmara Municipal pelo Bloco de Esquerda, tendo-se afastado recentemente da vida política activa.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.