Apoio psicológico pode ser solicitado através da Rede de Apoio Social de Emergência

18 psicólogos em Guimarães reforçam rede de apoio social de emergência

18 psicólogos em Guimarães reforçam rede de apoio social de emergência

Pub

 

 

Apoio psicológico em Guimarães pode ser solicitado pela Rede de Apoio Social de Emergência, através dos telefones 253 421 255 / 969 264 803 / 969 264 761.

Guimarães reforçou a equipa de psicólogos no âmbito da Rede de Apoio Social de Emergência, a fim de garantir apoio à população no âmbito da pandemia da Covid-19. Está agora constituída uma rede de 18 psicólogos que atua à distância conferindo o suporte emocional, competindo-lhes igualmente realizar uma avaliação com base na sintomatologia evidenciada, por forma a proceder ao encaminhamento para outras respostas. Em simultâneo, os psicólogos efetuam um reforço das orientações da DGS para a autoproteção e prevenção da propagação da pandemia do novo coronavírus.

Cada psicólogo é responsável por promover e contribuir para a adoção das recomendações da DGS, fazendo uma avaliação cuidadosa do risco, que tenha como princípio orientador a sua proteção, dos seus utentes e da comunidade em geral. Assim, os psicólogos serão mobilizadores sociais cruciais na adoção de comportamentos protetores da Saúde Psicológica (e física) face à situação de crise provocada pela Covid-19.

No âmbito da implementação de uma Rede de Apoio Social de Emergência, coordenada pela Divisão de Ação Social da Câmara Municipal de Guimarães, foram designados 11 Coordenadores Técnicos, um por Comissão Social InterFreguesia, a quem compete rececionar todas as sinalizações e pedidos de apoio referentes à área geográfica sobre a qual estão responsáveis, diligenciando para a sua resolução.

Nos casos em que os coordenadores de CSIF, ou outro técnico da área social, no decorrer dos contactos telefónicos que efetuam, percebam que poderá ser benéfico algum apoio psicológico e  suporte emocional à distância deverão encaminhar as pessoas para cada um dos psicólogos da Equipa de Apoio Psicológico. Está definida uma equipa criada no contexto desta situação de pandemia, constituída por 18 psicólogos, que garantem o apoio psicológico a todos os que evidenciem fragilidade emocional ou perturbações do foro psiquiátrico. A equipa encaminha os casos identificados como mais graves para estruturas de apoio preparadas para responder a estas situações, como sendo, a ativação da linha 112 que procede ao encaminhamento para os Centros de Apoio Psicológico e Intervenção em Crise (CAPIC) e para os Serviços de Psiquiatria para a Intervenção em Crise dos Hospitais.

Nos casos em que se afigura necessária uma intervenção mais estruturada ao nível da Consulta de Psicologia Clínica, o Município vimaranense conta também com o apoio da Associação de Psicologia da Universidade do Minho – associação de prestação de serviços de Psicologia à comunidade em geral. A associação disponibiliza a todos os que residem em Guimarães e em Braga a Linha de Apoio Psicológico Covid-19 (253 144 420). Do outro lado da linha poderá encontrar profissionais, entre os quais docentes e colaboradores externos da Escola de Psicologia.

Nesta última linha, durante o período de pandemia de Covid-19, poderá encontrar por exemplo, resposta para situações de conflito envolvendo casos de pais separados através do programa For 2Parents, uma linha de apoio à distância, numa lógica de intervenção em crise. Trata-se de um programa de intervenção psicológica para pais separados ou divorciados, em conflito judicial, por questões relacionadas com a guarda e/ou custódia dos filhos, promovido pela Escola de Psicologia da Universidade do Minho. O programa For 2Parents proporciona, de forma gratuita, uma resposta inovadora para o conflito parental pós-divórcio.

Fontes: Município de Guimarães, APSI.UM; Imagens: (0) Município de Guimarães, (1) UMinho

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e pluralé gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

Como qualquer outra, a Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Guimarães, Pandemia, Sociedade

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.