Pedro Miguel Coelho: ‘A solução está no foco e não nas dificuldades’

ITV | No meio de crise pandémica, Raclac contratualiza com SNS produzir exclusivamente para Portugal

ITV | No meio de crise pandémica, Raclac contratualiza com SNS produzir exclusivamente para Portugal

Pub

 

 

“A solução está no foco e não nas dificuldades”, referiu há dias Pedro Miguel Coelho, CEO da Raclac, empresa situada em Santiago da Cruz, Vila Nova de Famalicão, e uma das tecnologicamente inovadoras empresas do concelho do setor da Indústria Têxtil e de Vestuário (ITV), em declarações premonitórias do que parecia estar para chegar.

Poucos dias volvidos, a empresa famalicense, atualmente o maior produtor nacional de descartáveis para a área da saúde, não quer deixar o seu sucesso para trás nem em mãos alheias. Apanhada pela crise pandémica do novo coronavírus em fase de instalação na nova fábrica de Famalicão, encontra-se, neste momento, em virtude de um contrato estabelecido com o Sistema Nacional de Saúde, a canalizar toda a produção para os hospitais portugueses.

“Nesta altura temos obrigação de proteger os nossos. O negócio é secundário e há mês e meio que parámos a exportação”, relata Pedro Miguel Costa, CEO da Raclac, ao T-Jornal, a publicação especializada nesta indústria da ATP – Asssociação Têxtil e Vestuário de Portugal, Pedro Miguel Costa, assinalando que o objetivo atual da empresa, pelo menos até 22 de abril, passa apenas pelo fornecimento diário aos mais diversos hospitais portugueses, cumprindo um contrato há dias firmado com a central de compras do Sistema Nacional de Saúde.

No âmbito deste compromisso, a Raclac estabeleceu uma parceria com 3 dezenas de fábricas de confeção, cuja mão de obra ultrapassa dois mil trabalhadores, a produzir os vários tipos de Equipamentos de Proteção Individual (EPI). Estes EPI são depois encaminhados hospitais, não só do SNS, mas também para hospitais privados e lares de idosos.

Estes EPI eram até agora eram importados do Oriente.

Fontes: Raclac, T-Jornal; Imagens: Raclac

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver; e não pagou por isso.

Vila Nova é cidadania e serviço público: diário digital generalista de âmbito regional, independente e plural, é gratuito para os leitores. Acreditamos que a informação de qualidade, que ajuda a pensar e a decidir, é um direito de todos numa sociedade que se pretende democrática.

Como deve calcular, a Vila Nova praticamente não tem receitas publicitárias. Mais importante do que isso, não tem o apoio nem depende de nenhum grupo económico ou político.

Você sabe que pode contar connosco. Estamos por isso a pedir aos leitores como você, que têm disponibilidade para o fazer, um pequeno contributo.

A Vila Nova tem custos de funcionamento, entre eles, ainda que de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta e plural.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo – a partir de 1,00 euro – sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, poderá receber publicidade como forma de retribuição.

Se quiser fazer uma assinatura com a periodicidade que entender adequada, programe as suas contribuições. Estabeleça esse compromisso connosco.

Contamos consigo.

*

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

Obs: Envie-nos o comprovativo da transferência e o seu número de contribuinte caso pretenda receber o comprovativo de pagamento, para efeitos fiscais ou outros.

*

Pub

Categorias: Economia, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.