Luís Filipe Sarmento

Poesia | As mais belas transparências das estações

Poesia | As mais belas transparências das estações

Pub

 

 

As mais belas transparências das estações surgem nas manhãs obsoletas de Inverno, ainda que seja Verão ou Primavera em fim de estação. O que mostram está na transmutação do núcleo abstracto da imagem que se dilui no ácido purificado das cortinas húmidas: representações familiares que se desfocam à passagem de pássaros como intervalos de sílabas, recordações que deflagram na memória de outras vidas, contornos de figuras divinas da Renascença que em muito contribuíram para a ignorância, movimentos paralíticos de animais fora de prazo condensados em metáforas de açúcar. A subjectividade imagética dos nevoeiros na construção aérea de interrogações que prendem a atenção silenciosa e, por vezes, clandestina, do observador anónimo em busca de momentos que o ajudem na alienação de si porque a insuportável realidade o impõe como método de sobrevivência ao desastre anunciado. Instantes em fuga no apriorismo do tempo por vezes abalados pela falsa inconsciência de um cão que ladra, chamando a atenção que está na hora de ir ao mercado dos conflitos financeiros. Lá se vai o sossego enquanto as nuvens se movem condicionadas pelos anticiclones.

(nabos, cenouras, alho francês, abóbora, tomate, courgette, a lista está pronta, faltando apenas os coentros para cilantrar a sopa, sem esquecer o papel higiénico, muito papel higiénico)

 

Imagem: José Lorvão

*

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à sua manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de MBWay, netbanking ou multibanco.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Cultura

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.