‘Está na hora de ir ao mercado dos conflitos financeiros. Lá se vai o sossego enquanto as nuvens se movem condicionadas pelos anticiclones.’

As mais belas transparências das estações

As mais belas transparências das estações

Pub

 

 

As mais belas transparências das estações surgem nas manhãs obsoletas de Inverno, ainda que seja Verão ou Primavera em fim de estação. O que mostram está na transmutação do núcleo abstracto da imagem que se dilui no ácido purificado das cortinas húmidas: representações familiares que se desfocam à passagem de pássaros como intervalos de sílabas, recordações que deflagram na memória de outras vidas, contornos de figuras divinas da Renascença que em muito contribuíram para a ignorância, movimentos paralíticos de animais fora de prazo condensados em metáforas de açúcar. A subjectividade imagética dos nevoeiros na construção aérea de interrogações que prendem a atenção silenciosa e, por vezes, clandestina, do observador anónimo em busca de momentos que o ajudem na alienação de si porque a insuportável realidade o impõe como método de sobrevivência ao desastre anunciado. Instantes em fuga no apriorismo do tempo por vezes abalados pela falsa inconsciência de um cão que ladra, chamando a atenção que está na hora de ir ao mercado dos conflitos financeiros. Lá se vai o sossego enquanto as nuvens se movem condicionadas pelos anticiclones.

(nabos, cenouras, alho francês, abóbora, tomate, courgette, a lista está pronta, faltando apenas os coentros para cilantrar a sopa, sem esquecer o papel higiénico, muito papel higiénico)

1ª Página. Clique aqui e veja tudo o que temos para lhe oferecer. vila nova online - jornal diário digital generalista com sede em vila nova de famalicão - governo - ambiente - energia - gás - eletricidade

Imagem: José Lorvão

associação salvador

Pub

Categorias: Cultura, Literatura, Poesia

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.