Presença de Atox1 em células tumorais influencia sobrevivência em casos de cancro da mama

Saúde | Células cancerígenas espalham-se usando proteína de ligação ao cobre

Saúde | Células cancerígenas espalham-se usando proteína de ligação ao cobre

Pub

 

 

A proteína Atox1, encontrada em células de cancro da mama, participa do processo pelo qual as células cancerígenas metastizam. A proteína pode por isso ser um potencial biomarcador para avaliar a agressividade da doença, bem como um possível alvo para produzir novos medicamentos. Esta pesquisa foi dada a conhecer recentemente por investigadores da Universidade de Tecnologia de Chalmers, na Suécia, mediante uma publicação na revista PNAS – Proceedings of the National Academy Of Sciences.

O cancro da mama é a forma mais comum de cancro em mulheres em todo o mundo. O diagnóstico e o tratamento precoces são cruciais para a taxa de sobrevivência. A maioria das mortes relacionadas ao cancro da mama devem-se a células cancerígenas que deixam o tumor primário e metastatizam noutras partes do corpo, nomeadamente esqueleto, fígado ou pulmões. Mas os mecanismos moleculares por trás de como as células cancerígenas migram para outras partes do corpo ainda não são bem conhecidos.

“O que descobrimos pode ser importante para todos os tipos de cancro. Saber como as células cancerígenas se movimentam é um processo fundamental que ainda não entendemos suficientemente bem”, diz Pernilla Wittung-Stafshede, professora de biologia química da Universidade de Chalmers.

Cancro da mama coincide com níveis mais elevados de cobre no sangue e nos tumores

Estudos anteriores mostraram que, como em outros cancros, o cancro da mama coincide com níveis mais altos de cobre no sangue e nas células tumorais, mas a função desse cobre extra em células cancerígenas não é conhecida.

O cobre e outros iões metálicos existentes no nosso corpo são vitais para muitas funções biológicas, quando em pequenas quantidades controladas. Absorvido pelos alimentos, o cobre liga-se às proteínas e é depois transportado até às periferias do corpo. Os iões de cobre livres, em excesso, são tóxicos.

Atox1 identificado nos primeiros avanços das células cancerígenas migratórias

Investigadores da Universidade de Tecnologia de Chalmers identificaram agora uma proteína de ligação ao cobre que afeta claramente a migração de células de cancro da mama.

“Usando um banco de dados, identificamos primeiro todas as diferentes proteínas de ligação ao cobre em seres humanos e depois comparamos a quantidade dessas proteínas em tecidos cancerígenos a tecidos saudáveis. Atox1 era uma das proteínas de ligação ao cobre com alta concentração em células de cancro da mama, ” assegura Pernilla Wittung-Stafshede.

A Atox1 é uma proteína que, nas nossas células, transporta cobre para outras proteínas, o que exige funções enzimáticas. Os investigadores de Chalmers descobriram recentemente que a Atox1 se colocou na vanguarda das células cancerígenas em movimento, indicando que a proteína poderá estar envolvida no movimento celular. Essa observação foi o ponto de partida para o estudo agora publicado.

Investigadores acompanharam o movimento das células cancerígenas

Usando avançada microscopia de vídeo de células vivas, os investigadores foram capazes de rastrear o padrão de movimento de centenas de células cancerígenas individuais, com e sem a presença de Atox1.

“Conseguimos confirmar que as células se moviam a velocidades mais altas e a distâncias mais longas quando o Atox1 estava presente, em comparação com os mesmos tipos de células que se movem sem a proteína”, destaca Stéphanie Blockhuys, investigadora de pós-doutoramento em biologia química da Universidade de Chalmers e coordenadora do estudo.

Atox1 dirige movimento celular

Outras experiências revelaram que o Atox1 impulsiona o movimento celular, estimulando uma cadeia de reação que envolve outra proteína de transporte de cobre – ATP7A -, e a enzima lisil oxidase (LOX). O Atox1 entrega cobre ao ATP7A, que, por sua vez, entrega o metal ao LOX. O LOX precisa de cobre para funcionar, e já se sabe que o LOX está envolvido em processos extracelulares que facilitam o movimento das células do cancro da mama.

“Quando o Atox1 nas células cancerígenas é reduzido, descobrimos que a atividade do LOX diminui. Assim, parece que sem o Atox1, o LOX não recebe o cobre necessário para a sua atividade de migração celular”, afirma Stéphanie Blockhuys.

Níveis elevados de Atox1 influenciam drasticamente a sobrevivência

Em paralelo, estes investigadores analisaram um banco de dados dos níveis de transcrição Atox1 relatados em 1904 diferentes pacientes com cancro da mama, juntamente com os tempos de sobrevivência e descobriram que pacientes com tumores com elevados níveis de Atox1 têm tempos de sobrevivência drasticamente mais baixos. Concluem, portanto, que o mecanismo que identificaram nas suas experiências de cultura de células parece desempenhar um papel no desenvolvimento da doença em pacientes.

Isso indica que a proteína Atox1 pode ser um biomarcador para avaliar a agressividade de um cancro da mama. Tais informações podem ser usadas, por exemplo, para determinar se o tratamento destinado a remover o cobre do corpo é apropriado. O Atox1 também pode tornar-se alvo de drogas para bloquear metástases e assim aumentar o tempo de sobrevivência.

Em mais um passo no avanço da sua investigação, esta equipa transfere agora as experiências das células para pequenos modelos animais e investiga também o envolvimento de outras proteínas de ligação ao cobre.

 

Fonte: UTC; Imagens: (0) Boid, (1) Martina Butorac

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Ciência

About Author

Write a Comment

Only registered users can comment.