Chovem críticas ao ‘marketing político’ do Município

PS | Partido Socialista quer plano para ciclovias de Famalicão

PS | Partido Socialista quer plano para ciclovias de Famalicão

Pub

 

 

O núcleo concelhio do Partido Socialista – Famalicão “considera estranho” o anúncio recente de Paulo Cunha, em nome do respetivo Município, de que “está para breve o arranque da construção da rede de ciclovias  urbanas de Famalicão, que irá ligar a estação de caminho-de-ferro às escolas e aos parques da cidade” com um “investimento na ordem dos € 2,3 milhões de euros”. Esta estranheza deve-se ao facto de, recorda o partido, já em 2014 Paulo Cunha ter anunciado a primeira fase da rede ciclável urbana, entre o Parque 1.º de Maio e o Parque da Devesa e, nessa altura, o investimento previsto ser de 200 mil euros.

Mas o partido, atualmente na oposição, recua mais longe no tempo e lembra também que, “se quisermos ser rigorosos na leitura do tempo, devemos recuar 8 anos, altura em que Armindo Costa anunciava com pompa a rede ciclável de Famalicão”.

O PS – Famalicão considera que “os investimentos em estruturas de mobilidade verde são positivos para a melhoria da qualidade de vida dos famalicenses mas, neste caso, temos apenas mais um exemplo do famoso marketing político que a vereação PSD/CDS desenvolve. Ao longo de anos, o mesmo assunto serve para fazer manchetes e anunciar medidas mas são necessários 8 anos para que algo aconteça”.

Assim sendo, o PS – Famalicão “espera que seja mesmo verdade que as obras se iniciem uma vez que investimentos destes a todos beneficiam, pois contribuem para mitigar o impacto ambiental da poluição automóvel e para a melhoria da mobilidade das pessoas”.

O PS – Famalicão considera também que, no que se refere a este tipo de mobilidade, “a Câmara Municipal deveria não só cumprir as promessas e prazos anunciados mas também apresentar um plano global e integrado de uma rede ciclável para o concelho, que não se confine ao núcleo urbano e ao eixo Famalicão-Póvoa de Varzim.

Por essa razão, o Partido Socialista interroga-se e interroga deixando algumas questões no ar:

Que ligação está pensada e projetada para as vilas do concelho?

Está nos planos da Câmara Municipal o prolongamento da via ciclopedonal Ribeirão/Trofa (Parque das Azenhas) até Lousado, ou pelo menos até à Ponte da Lagoncinha?

Ou, quem sabe, até Pedome (Parque Calça Ferros) e  Riba d’Ave, pelas margens do Rio Ave?

E a ligação entre o Parque das Azenhas, em Ribeirão/Trofa, e a cidade de Famalicão está prevista?

Existem projetos para uma eventual ligação da ciclovia de Famalicão a Nine, a Joane ou até à ciclovia de Guimarães?

No plano de intenções divulgado esta semana pela Câmara Municipal famalicense, “estas questões não têm qualquer resposta. Mas deveriam ter, a bem do interesse geral dos famalicenses”.

 

Nota: Este artigo foi editado em 13032020, pelas 12h32, tendo sido substituída a imagem de destaque.

Fonte: PS

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.