José Macedo

Saúde | COVID-19 será o novo ‘antivírus’ do SNS?

Saúde | COVID-19 será o novo ‘antivírus’ do SNS?

 

 

Um Sistema Nacional de Saúde que no último ano tem passado por um forte desinvestimento, chegando na maior parte dos casos a colocar  em causa a qualidade da saúde em Portugal, desde Hospitais com redução na qualidade de atendimento (alguns saindo da esfera das Parcerias Público Privadas), falta de material médico, aumento das horas de espera, filas intermináveis na espera de cirurgias, classes de trabalhadores da área da saúde descontentes, são exemplos dos problemas que afetam o nosso sistema de Saúde nos dias atuais.

Desde final do ano de 2019 que o mundo se encontra a enfrentar uma pandemia global, devido ao aparecimento do Covid-19, mais conhecido por Coronavírus. Um vírus de propagação rápida, com sintomas facilmente confundíveis com os de uma gripe normal, mas com efeitos letais em pessoas com sistemas imunitário comprometidos. Este surto atingiu um pico de letalidade elevada na China, assim como no número de infetados  em Itália e no Irão, sendo que já se encontra presente em mais de 100 países. A propagação rápida deste vírus não pode deixar de estar relacionada com a livre e fácil circulação de pessoas que existe atualmente. Mas não poderei deixar de referir que a propagação do mesmo, principalmente na Europa, prende-se com a tardia forma de atuação dos governos face a este problema. Atuaram quase todos de forma reativa e não de forma preventiva. Portugal inclusive!

Agora, de repente, estamos todos em ALARME TOTAL, e ainda só temos 39 casos confirmados em território português à hora em que este artigo é publicado. De um momento para o outro, temos hospitais de campanha, reforço de pessoal de saúde, linha de crédito para as empresas que sejam afetadas pelos danos colaterais desta estirpe, stock de máscaras, desinfetantes e álcool esgotados, universidades fechadas, eventos sociais, culturais e desportivos cancelados, entre outros. FINALMENTE acordámos! Mas mais uma vez tardiamente.

Se numa fase inicial, tanto a Direção Geral de Saúde, a Ministra da Saúde e o SNS, pareciam perdidos, tanto ao nível informativo, como ao nível de atuação, não apresentando planos de contingência, nem medidas preventivas nas fronteiras, aeroportos, ou outros pontos de entrada de pessoas no nosso país, agora, de repente,  numa altura em que aparecem os primeiros casos, já se pensa em tudo. Quando deveríamos ter fechado as “portas” não fechamos, agora que já temos o vírus cá dentro, já podemos fazer de tudo, cancelar voos, pensar em controlar as fronteiras, controlo nos aeroportos, etc…

Mas o que mais assusta é que são as próprias entidades públicas e privadas a tomar medidas por iniciativa própria!

O SNS, de adormecido e sem investimento, passa a ser uma área prioritária de investimento por parte do governo neste momento, desvirtuando a situação em que se encontrava atualmente. Mas este desvirtuamento não é total, pois é fácil ver os pontos em que o sistema falhou, começando pelas lides políticas, que desde o início mostraram um desnorte total de condução na atuação de prevenção desta estirpe, abrangendo todos os mecanismos da própria DGS.

Agora vamos poder constatar o que vale o nosso SNS, o que vale a DGS e o que vale o Ministério da Saúde.

Para um Exame na Universidade investimos em estudar para estarmos preparados para o resolver. Nesta situação, não tendo havido investimento nos últimos anos no SNS, veremos que tal nos vamos sair neste teste do Coronavírus. Estaremos cá para efetuar a devida avaliação. Salvação do SNS ou Vírus do SNS? Seria este o antivírus que todos aguardamos para “limpar” o nosso Sistema Nacional de Saúde?

 

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Categories: Crónica, Economia, Sociedade

About Author

José Macedo

Economista.

Write a Comment

Only registered users can comment.