Arquitetura | Pritzker atribuído a mulheres pela primeira vez na sua história: Yvonne Farrell e Shelley McNamara

Arquitetura | Pritzker atribuído a mulheres pela primeira vez na sua história: Yvonne Farrell e Shelley McNamara

Pub

 

 

Yvonne Farrell e Shelley McNamara, de Dublin, Irlanda, foram escolhidas como as vencedoras da edição 2020 do Prémio Pritzker de Arquitetura, anunciou Tom Pritzker, Presidente da The Hyatt Foundation, que patrocina a distinção que é conhecida internacionalmente como a maior honra da arquitetura. Esta é a primeira vez na história deste galardão em que o vencedor não é um homem; e foi logo atribuído a duas mulheres de uma só vez. Farrell e McNamara conseguiram dominar a proporção para manter uma escala humana e alcançar ambientes íntimos em edifícios vastos e grandiosos.

“A arquitetura pode ser descrita como uma das atividades culturais mais complexas e relevantes do planeta”, comentou Yvonne Farrell. “Ser arquiteto é um enorme privilégio. Ganhar este prémio é um maravilhoso aval na nossa crença na arquitetura. Obrigado por esta grande honra”, referiu agradecendo a homenagem.

Como arquitetas e educadoras desde a década de 1970, Farrell e McNamara,co-fundadoras da Grafton Architects, criam espaços que são simultaneamente respeitadores da tradição e inovadores, honrando a história enquanto demonstram um domínio do ambiente urbano e da arte da construção. Equilibrando força e delicadeza, e mantendo uma reverência de contextos específicos do local, as suas instituições académicas, cívicas e culturais, bem como empreendimentos habitacionais, resultam em obras modernas e impactantes que nunca repetem ou imitam, mas são decididamente resultado da sua voz própria voz na arquitetura.

“Pela integridade na abordagem de ambos as tipologias de edifícios, bem como a maneira como conduzem sua prática, a crença na colaboração, a generosidade com os colegas, o compromisso incessante com a excelência na arquitetura, a sua atitude responsável em relação ao meio ambiente, a sua capacidade de serem cosmopolitas e abraçarem a singularidade de cada lugar em que trabalham, por todas essas razões e mais algumas, Yvonne Farrell e Shelley McNamara recebem o Prémio Pritzker de Arquitetura 2020”, salientou o Júri na sua nota de divulgação.

“Dentro do espírito de uma prática como a nossa, muitas vezes lutamos para encontrar espaço para a implementação de valores como humanismo, habilidade, generosidade e conexão cultural com cada lugar e contexto em que trabalhamos. Portanto, é extremamente gratificante que este reconhecimento nos seja concedido: a nós, à nossa prática e ao corpo de trabalho que conseguimos produzir ao longo de muitos anos”, disse, por sua vez, com humildade e satisfação, Shelley McNamara. “É também um reconhecimento maravilhoso da ambição e visão dos clientes que nos contrataram e nos permitiram levar os nossos edifícios a bom termo”.

A sua Irlanda natal, uma ilha repleta de montanhas e falésias, conforma a sua intensa sensibilidade à geografia, mudando o clima e a natureza em cada um de seus locais. Os seus edifícios permanecem consistentemente ricos em propósito, ainda que modestos, melhorando as cidades e garantindo sustentabilidade, atendendo às necessidades locais. O Campus Universitário UTEC Lima (Lima, Peru 2015) está localizado num local desafiador, com uma rodovia afundada em uma ravina de um lado e um bairro residencial do outro. O resultado é um edifício vertical e em cascata, que responde às necessidades locais e climáticas. Os seus espaços abertos foram projetados para receber deliberadamente a brisa refrescante do oceano e minimizar a necessidade de ar condicionado.

Nos escritórios do Departamento de Finanças (Dublin, Irlanda 2009), a seleção de calcário local usado em painéis grossos confere força ao edifício. As janelas recuadas ou niveladas com a fachada têm grades abaixo delas para circular ar fresco por todo o edifício. As exposições de todos os lados do edifício, atípicas da arquitetura desta cidade, oferecem vistas panorâmicas.

Nas suas obras, a Grafton Architects mostra estar continuamente consciente do diálogo entre o interno e o externo, evidenciado pela mistura de espaços públicos e privados, e pela significativa seleção e integridade dos materiais. “O que tentamos fazer em nosso trabalho é estar ciente dos vários níveis de cidadania e tentar encontrar uma arquitetura que lide com sobreposições, que intensifique o seu relacionamento entre si”, ilustra Farrell. A Universita Luigi Bocconi (Milão, Itália 2008) promove a comunidade entre seus ocupantes e a cidade vibrante que se estende muito além do campus vertical, através de seu espaço público no térreo, que continua dentro de casa, e a sua cobertura flutuante que se sobrepõe ao solo abaixo, envolvendo os transeuntes com os alunos. A Université Toulouse 1 Capitole, School of Economics (Toulouse, França 2019) apresenta contrafortes de tijolo, rampas e pátios, que são metáforas da cidade repleta de pontes, paredes, calçadas e torres de pedra.

“A colaboração entre Yvonne Farrell e Shelley McNamara representa uma verdadeira interconexão entre colegas iguais”, afirma Tom Pritzker. “A sua arquitetura demonstra uma força incrível e uma profunda relação com a situação específica de cada local em todos os aspectos. [Yvonne Farrell e Shelley McNamara] estabelecem respostas diferentes para cada obra, [ao longo do tempo] mantendo a honestidade de seu trabalho, e excedem os requisitos da área através dos seus sentidos de empenho e comunidade”.

 

Fonte: PPA; Imagens:

 

 

Pub

Categorias: Arte, Sociedade

Acerca do Autor

Comente este artigo

Only registered users can comment.