‘A vida vem antes da literatura’: ‘O homem e a mulher mais felizes já sentiram dor suficiente para escrever o “Livro do Desassossego”‘

Literatura | ‘São de(s)ilusão os tempos’ moderado por Maria Flor Pedroso encerra Mesas do Correntes d’Escritas

Literatura | ‘São de(s)ilusão os tempos’ moderado por Maria Flor Pedroso encerra Mesas do Correntes d’Escritas

Pub

 

 

O Correntes d’Escritas, festival literário que decorre na Póvoa de Varzim desde há 21 anos, reuniu, à volta da sua última Mesa – com o número 10, perante uma plateia do Cine-Teatro Garrett quase completamente esgotada, os autores Manuel Rui, Elisa Lucinda, Juan Gabriel Vásquez, Manuel Rui, Patrícia Portela, Francisco José Viegas e Rosa Montero.

Maria Flor Pedroso conduziu o tema “São de(s)ilusão os tempos”. Esta foi a Mesa de despedida da 21ª edição do Correntes d’Escritas.

Para Manuel Rui, o primeiro a fazer ouvir a sua comunicação, a desilusão é uma perda de imagem, um sonho contrariado. “Quanto mais a imaginação nos faz sair da realidade mais forte será a queda”. Para o escritor angolano, “um fracasso é mais útil na vida do que um êxito fácil”. O autor escreve “da escrita para a fala de forma a que o leitor se consiga enganar que não me está a ler mas que lhe estão a contar uma história”. Manuel Rui disse que “a vida vem antes da literatura como a matéria-prima vem antes da obra”.

Escritora, atriz, poeta, jornalista e produtora cultural. Por estas artes se divide Elisa Lucinda. A sua intervenção abordou temas fraturantes da sociedade atual. Expressa em tom francamente emotivo, recebeu uma ovação em pé: racismo, corrupção, injustiça, feminismo negro, extrema-direita, machismo.

Quem mandou matar Marielle?” foi a pergunta com que terminou a sua comunicação e com que finalizou uma intervenção fortemente crítica da deriva ideológica e societária brasileira.

Juan Gabriel Vásquez viu Enrique de Hériz há um ano pela última vez. Desde aí, “não escrevi uma única linha sem pensar no que ele pensaria”. Enrique de Hériz enfrentava os seus últimos dias com vida e a doença tinha-o transformado. “- Não quero mais histórias”, recorda o autor. De homem vivaz e eloquente a frágil e silencioso. “Tinha-se tornado opaco. Doeu-me ouvir a sua voz ténue.”

Quando o amigo partiu, Juan Gabriel Vásquez cercou-se dos livros do autor para viver uma conversa tranquila com ele.

Patrícia Portela afirmou que “a mentira é a nossa ilusão. A nossa maior desilusão é a verdade”. A encenadora, videasta e performer recordou Vasco Pulido Valente, historiador, escritor, ensaísta e comentador político, que faleceu anteontem com 78 anos.

Para Francisco José Viegas, falar sobre os livros que amamos é o que o traz anualmente ao Correntes d’Escritas. “Podemos não ser as melhores pessoas a pensar, mas somos as melhores a escrever. Estou a defender o humor. Não porque o mundo esteja a correr bem, mas porque precisamos manter o mínimo de sanidade e manter a capacidade de olharmos para lá de amanhã”.

Rosa Montero, que encerrou as comunicações, sublinhou que “estamos a viver tempos de ódio. Olhamos para o futuro com medo: crise climática, extremismo dogmático no mundo, de direitas e esquerdas, laicos e religiosos, descrédito da democracia. A democracia é hipócrita e injusta e a falsa pureza do dogma aproveita-se do medo”. Segundo a escritora, “os tempos são sempre uma desilusão, a vida é sempre uma desilusão. O homem e a mulher mais felizes já sentiram dor suficiente para escrever o Livro do Desassossego”.

Fonte e Imagens: Município da Póvoa de Varzim

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Cultura

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.