Espetáculo acontece a 13 de janeiro

Cineconcerto | Mão Morta Redux apresentam ‘A Casa na Praça Trubnaia’ no Gnration

Cineconcerto | Mão Morta Redux apresentam ‘A Casa na Praça Trubnaia’ no Gnration

Pub

 

 

A partir de uma encomenda para a quarta edição do festival de cinema Close-up – Observatório de Cinema de Famalicão, os Mão Morta criaram uma nova banda-sonora para o filme “A Casa da Praça Trubnaia”, obra-prima do cineasta soviético Boris Barnet, um outsider do cinema mudo soviético. Este filme-concerto é composto e tocado ao vivo por Adolfo Luxúria Canibal, António Rafael e Miguel Pedro, que se apresentam enquanto Mão Morta Redux, um formato reduzido que marca um regresso ao período em que o grupo era constituído por apenas três elementos. 

Em “A Casa na Praça Trubnaia”, Boris Barnet conduz-nos por uma sátira à hipocrisia da pequena burguesia, que sobrevivera na URSS à Revolução e que continuava, sorrateiramente, a explorar os necessitados. Através da comédia, o cineasta mostra a história da casa, e dos seus habitantes, para onde Parasha Pitunova (Vera Maretskaya), acabada de chegar a Moscovo e vinda da província, foi trabalhar como empregada doméstica num dos apartamentos de um prédio no qual decorre a ação.  O blogue Mito Duplo refere que se trata de um filme de 1928 que se manteve inédito nos cinemas portugueses até há pouco tendo o filme sido restaurado recentemente.

“O enredo passa-se em Moscovo e tenta criticar de forma mais ou menos cómica os costumes de várias camadas da sociedade, com um destaque especial para a relação entre o barbeiro que pensa que é burguês e a sua nova empregada doméstica acabada de chegar do campo, sempre mal tratada pelo primeiro e pela mulher dele. Quando pensam que a empregada foi eleita para o parlamento local, começam a dar-lhe “graxa”…”

O Mito Duplo recomenda o filme por ser “bastante interessante como testemunho de uma época”.

Formados em 1984 por Joaquim Pinto, Miguel Pedro e Adolfo Luxúria Canibal, os Mão Morta construíram um dos percursos mais sólidos e importantes do rock nacional, tornando-se num grupo de culto e um dos mais respeitados pelo público português. Ao longo de mais de três décadas de existência, editaram 12 álbuns de estúdios e 7 discos gravados ao vivo. Em 2019, editaram “No Fim Era o Frio”, um novo disco que parte da criação de um espetáculo de dança contemporânea. 

 

Fonte: Gnration; Imagens: (0) Gnration, (1) Close-up

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Agenda, Cultura

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.