PNG abrange territórios de Arcos de Valdevez, Melgaço, Montalegre, Ponte da Barca e Terras de Bouro

Natureza | Bloco deseja que Governo mantenha financiamento contra incêndios no Parque do Gerês

Natureza | Bloco deseja que Governo mantenha financiamento contra incêndios no Parque do Gerês

Pub

 

 

O grupo parlamentar do Bloco de Esquerda espera que o Governo mantenha o financiamento dos projetos no âmbito do Plano-Piloto de prevenção de incêndios florestais e de valorização e recuperação de habitats naturais no Parque Nacional da Peneda-Gerês, aprovado pelo Conselho de Ministros em 2016.

Colocou por isso uma questão ao Governo na Assembleia da República, através do deputado e da deputada eleitos pelo circulo eleitoral de Braga, José Maria Cardoso e Alexandra Vieira. Os deputados afirmam que “este Plano-Piloto tem-se revelado importantíssimo para a gestão coerente do Parque”. “Alguns dos projetos irão terminar financiamento no corrente ano de 2020 e outros no próximo ano, pelo que é fundamental assegurar a continuidade de financiamento deste projeto que tão importante tem sido para o Parque”, acrescentam.

Assim, o Bloco de Esquerda pretende que o Ministério do Ambiente e da Ação Climática esclareça se está garantida a continuidade de financiamento do Plano-Piloto aprovado no âmbito da Resolução de Conselho de Ministros n.º 83/2016 e quando será confirmado esse financiamento através da publicação em Diário da República.

Recorde-se que o Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG) abrange território nacional de 22 freguesias, distribuídas pelos concelhos de Arcos de Valdevez, Melgaço, Montalegre, Ponte da Barca e Terras de Bouro. Esta Área Protegida forma um conjunto com o parque natural espanhol da Baixa Limia – serra do Xurés (na Galiza) constituindo com este, desde 1997, o Parque Transfronteiriço Gerês-Xurés e a Reserva da Biosfera com o mesmo nome.

Fonte: BE; Imagens: (0) Jaime Filipe – Gerês, (1) BE

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.