Observatório Marinho de Esposende deverá promover biodiversidade marinha

Congresso | ‘Sistemas de Informação do Meio Marinho’ debate em Esposende sustentabilidade de recursos

Congresso | ‘Sistemas de Informação do Meio Marinho’ debate em Esposende sustentabilidade de recursos

Pub

 

 

O Município de Esposende vai promover, nos dias 6 e 7 de fevereiro, no Hotel Axis Ofir, em Esposende, o congresso dedicado ao tema “Sistemas de Informação do Meio Marinho”.

Trata-se de uma iniciativa da autarquia esposendense organizada em parceria com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), no âmbito do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, para a operacionalização da Estratégia Portugal 2020,  cujo objetivo é apoiar a implementação de ações no circuito do sistema de informação do meio marinho, designadamente recolha de informação, desenvolvimento de ferramentas de gestão, pesquisa e processamento de dados para suporte à decisão na área da biodiversidade marinha como ferramenta na promoção da sustentabilidade dos recursos.

Um dos projetos apoiados que conta com a parceria do ICNF é o Observatório Marinho de Esposende (OMARE), promovido pela Câmara Municipal de Esposende e que se encontra em fase final de execução.

Os trabalhos associados ao congresso iniciam-se a 5 de fevereiro, com o III Workshop conjunto dos projetos OMARE, Áreas Classificadas do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (MARSW) e sistemas de informação e monitorização da biodiversidade marinha das Áreas Classificada da Arrábida (INFORBIOMARES).

A sessão de abertura, agendada para o dia 6 de fevereiro, terá o presidente do Município de Esposende, Benjamim Pereira, como interveniente num painel em que participa Tiago Miranda, diretor-executivo do Instituto de da Ciência e Inovação para a Bio-Sustentabilidade, assim como representantes do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos e do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas.

Será apresentado o documentário do OMARE, antecedendo o painel que abordará o Mapeamento de habitats Marinhos, tendo como moderador João Borges de Sousa (diretor do Laboratório de Sistemas e Tecnologias Subaquáticas), José Pinto (Laboratório de Sistemas e Tecnologias Subaquáticas), Videira Marques (Divisão de Hidrografia do Instituto Hidrográfico) e Jorge Gonçalves (Centro de Ciências do Mar da Universidade do Algarve).

O painel dedicado às Áreas Marinhas Protegidas terá como moderador Duarte Figueiredo, diretor do Departamento Regional de Conservação da Natureza e da Biodiversidade e conta com a participação de Vasco Ferreira (Projeto OMARE, Parque Natural do Litoral Norte), Jorge Assis (Projeto INFORBIOMARES, Parque Natural da Arrábida), João Castro, Bernardo Quintella, Jorge Gonçalves (Projeto MARSW, Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina) e José Antonio Fernández Bouzas (diretor-conservador do Parque Nacional das Ilhas Atlânticas da Galiza).

No dia 7 de fevereiro estarão em discussão as Estações de Biologia Marinha Atlânticas, sendo moderador Vasco Ferreira e contando com as participações de Matthew Frost (president do European Network of Marine Stations) e Mike Weber (Diretor da Estação Litoral da Aguda). Serão abordados os Sistemas de Informação do Meio Marinho, em painel que conta com a moderação de Vítor Vasconcelos (diretor do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental), Miguel Miranda (presidente do Instituto Português do Mar e Atmosfera) e, sobre Literacia dos Oceanos serão intervenientes Gonçalo Prista (Liga para a Proteção da Natureza) e Catarina Gonçalves (Coordenadora Nacional da Associação Bandeira Azul Europa), em painel moderado por Fernando Gonçalves.

A Gestão de Áreas Marinhas Protegidas (AMP) será abordada pelo presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira em painel que conta, também com a participação de Pimenta Machado, vice-Presidente da Agência Portuguesa do Ambiente que encerra o congresso.

Fonte e Imagens: Município de Esposende

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Local, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.