Municípios unem-se em nova edição tendo em vista a sua revitalização

História | Braga, Famalicão e Guimarães abrem candidaturas para o Prémio Alberto Sampaio

História | Braga, Famalicão e Guimarães abrem candidaturas para o Prémio Alberto Sampaio

Pub

 

 

Os Municípios de Braga, Famalicão e Guimarães, juntamente com a Sociedade Martins Sarmento e a Academia das Ciências de Lisboa, voltam a unir-se para promover o Prémio Alberto Sampaio.

O prémio destina-se a homenagear e manter viva a pessoa e obra de Alberto Sampaio, promovendo o desenvolvimento dos estudos científicos e investigação nas áreas ligadas ao seu legado, em especial, nas disciplinas da História Social e Económica.

O prémio, no valor monetário de 6.000 euros, é atribuído anualmente por um júri constituído por académicos de universidades portuguesas a designar pela Academia das Ciências de Lisboa.

O prémio pretende distinguir estudos de história económica e social. Com cariz bienal, será atribuído no ano de 2020 com financiamento em partes iguais pelas três autarquias.

Os estudos concorrentes, a enviar para a Academia das Ciências de Lisboa até 31 de Maio de 2020, podem resultar ou ter por base trabalhos académicos, nomeadamente dissertações de mestrado ou teses de doutoramento, desde que respeitem o Regulamento.

O Prémio de História Alberto Sampaio data de 1995, quando foi contratualizado um protocolo entre os Municípios de Vila Nova de Famalicão e de Guimarães e a Sociedade Martins Sarmento. A sua última edição foi em 2008.

Tendo em vista a revitalização deste prémio, a edilidade famalicense redesenhou o regulamento no ano de 2016, tendo convidado o Município de Braga, cidade estreitamente ligada à vida de Alberto Sampaio, a integrar esta iniciativa. A cerimónia de entrega do prémio será rotativa, decorrendo em instituições ligadas ao patrono do galardão: o Museu Alberto Sampaio em Guimarães, o Arquivo Municipal Alberto Sampaio em Vila Nova de Famalicão e a Escola Secundária Alberto Sampaio em Braga.

Recorde-se que Alberto Sampaio nasceu em Guimarães no ano de 1841, fez os estudos liceais em Braga e veio a falecer na freguesia de Cabeçudos, em Vila Nova de Famalicão, a 1 de Dezembro de 1908. O historiador é especialmente conhecido pelos seus trabalhos no domínio da história económica. Entre as suas principais obras contam-se aquelas consagradas às póvoas marítimas medievais e às vilas do Norte de Portugal. Alberto Sampaio passou a sua vida entre estes dois concelhos minhotos, tendo organizado a I Exposição Industrial de Guimarães, sido sócio fundador da Sociedade Martins Sarmento e destacado colaborador da Revista de Guimarães da mesma Sociedade. Na sua Casa de Boamense, em Vila Nova de Famalicão, estudou e escreveu a obra que nos legou, encontrando-se uma parte do seu rico espólio no Arquivo Municipal de Vila Nova de Famalicão.

Fontes: Município de Braga, Academia de Ciências de Lisboa; Imagens: Município de Braga

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Cultura

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.