ZERO e SILVEX lançam desafio: Na natureza nada se perde, tudo se transforma

Reciclagem | ‘Devolver à Terra’ implementa compostagem de resíduos orgânicos em escolas

Reciclagem | ‘Devolver à Terra’ implementa compostagem de resíduos orgânicos em escolas

Pub

 

A célebre Lei de Lavoisier ‘Na natureza nada se perde, tudo se transforma‘ foi inspiradora da iniciativa “Devolver à Terra” – que tem como objetivo incentivar boas-práticas ecológicas entre os mais novos, nomeadamente na aprendizagem da valorização de resíduos orgânicos (restos de comida das cantinas) e na sua transformação em composto de grande qualidade – recebeu mais de 200 candidaturas de escolas de todo o país, tendo sido selecionadas 96 que cumpriam os requisitos do projeto, distribuídas sobretudo nas regiões norte e centro do país com 38 e 31 escolas, respetivamente, quatro escolas no Algarve, três no Alentejo e 20 na Área Metropolitana de Lisboa.

Entre as escolas da região Norte envolvidas no projeto encontram-se a EB1 de Garapoa-Celeirós (Braga), o Agrupamento de Escolas de Briteiros, a Escola Básica de Gondar e Escola Básica do 2º e 3º Ciclos de Pevidém (Guimarães), a Escola Básica de Forjães e a Escola Profissional de Esposende (Esposende), a Escola Básica de Manhente (Barcelos), a EB2,3 de Caldas de Vizela e Escola Básica e Secundária de Infias (Vizela) e a EB/JI do Corgo (Vila Real).

A aplicação de critérios predefinidos permitiu selecionar um conjunto de 96 escolas, distribuídas sobretudo nas regiões norte e centro do país com 38 e 31 escolas, respetivamente, quatro escolas no Algarve, três no Alentejo e 20 na Área Metropolitana de Lisboa.

No início do ano letivo, a ZERO e a SILVEX lançaram às escolas o desafio de se candidatarem ao projeto “Devolver à Terra”, um projeto com o qual se pretende promover, junto da comunidade escolar, práticas de recolha, separação e compostagem de resíduos orgânicos. Foram mais de 200 as escolas que responderam ao desafio, tendo sido selecionadas 96. A resposta das escolas foi surpreendente, na medida em que manifestaram grande vontade em participar no projeto. Estas 96 escolas serão apoiadas com equipamento e apoio técnico da ZERO e da SILVEX, através de ações presenciais de esclarecimento e sensibilização, disponibilização de materiais pedagógicos e de informação online.O projeto, que tem uma duração prevista de três anos, irá premiar cada uma das três escolas com melhor desempenho com um prémio no valor de 2.500 €.

A ZERO e a SILVEX esperam, com este projeto, realçar o potencial que as escolas possuem, enquanto geradoras de resíduos, na redução do desperdício, da quantidade de resíduos encaminhados para aterro e, consequentemente, da geração de gases com efeito de estufa, através de ações de separação e reciclagem de resíduos orgânicos. Com este projeto, os alunos poderão verificar como resíduos, sem valor aparente, podem ser muito úteis para fertilizar os jardins e hortas escolares.

“Ambicionamos que este projeto seja inspirador e contagie muitas outras instituições públicas e privadas a seguir estas boas práticas ambientais, que vão de encontro ao espírito da Diretiva (EU) 2018/851 de 30 de Maio de 2018, que no artigo 22º, determina: “Os Estados-Membros asseguram que, até 31 de Dezembro de 2023 (…) os bio-resíduos são separados e reciclados na origem, ou são recolhidos selectivamente e não são misturados com outros tipos de resíduos”, refere Carlos Rodrigues da SILVEX.

A compostagem doméstica ou comunitária, incentivada pela Directiva EU 2018/851, tem óbvios benefícios na redução dos custos energéticos e ambientais, desviando toneladas de resíduos dos nossos aterros ou centrais de compostagem, poupando toneladas de emissões de CO2 dos camiões de lixo que deixarão de recolher este “desperdício”.

Fontes: ZERO e Silvex; Imagens: Silvex

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.