António Manuel Reis

Sinal dos tempos | Doutrinação

Sinal dos tempos | Doutrinação

Pub

 

 

Em 2015, a novidade chamou-se Geringonça, em 2020 vê-se o seu resultado.

Não vale a pena falar de economia e finanças, a factura destes 4 anos de governação das forças progressistas – PS, PCP, BE – está a vista de todos e resume-se, na sua totalidade, na qualidade dos serviços públicos e na maior carga fiscal de sempre.

Os portugueses estão hoje, alegres e contentes, a sofrer o maior ataque à democracia desde o 25 de Novembro. A doutrinação progressista é a norma e faz escola.

Capturada, a comunicação social está, em primeira linha, a ser manietada pela visceral ideia da superioridade intelectual de esquerda e pela propaganda. A curto prazo, com a mais que provável ajuda financeira do Estado, em virtude da falta de liquidez das empresas (falidas) do setor, a subserviência ao poder está, e estará, à vista de todos.

A agenda progressista nos média é uma realidade hoje bem visível. Desde a igualdade de género à xenofobia, racismo, LGBTI, aproveitamento das alterações climáticas, tudo serve para alimentar essa evangelização.

Vários exemplos são vistos todos os dias na forma como se produzem e divulgam as notícias, omitindo vários pormenores, identificações e dualidade de critérios.

Porém o mais preocupante é que hoje, em Portugal, o principal objectivo de todas as forças progressistas de esquerda – que,  pelo muito mau resultado que deram, praticamente desapareceu do mundo enquanto linha de pensamento e, na Europa, infelizmente, resistem em Portugal e agora em Espanha, e pela mesma forma encontrada de poder pelo poder – é precisamente a doutrinação na educação.

A esquerda só consegue manter-se no poder através da captura doutrinária na educação dos nossos jovens. Leva algum tempo, mas torna-se uma realidade.

A instigação da doutrina, como método de controle de pensamento e tentativa de mudança de paradigma, está hoje muito bem patente no ensino. A tentativa da criação da clivagem entre pais e filhos, com o intuito dos segundos doutrinarem os primeiros é hoje uma realidade insofismável.

As causas fracturantes, a tentativa de imposição das minorias sob as maiorias, a introdução de temas imperceptíveis visando a confusão psicológica em crianças, são hoje mais que muitas. A liberdade individual está hoje deveras ameaçada. Dizem-nos e obrigam-nos o que devemos comer. Dizem-nos que podemos escolher ser homem, mulher, ou algo no meio disso. Dizem-nos que religião ou não devemos professar. Dizem-nos que hábitos ou não podemos ter.

Controlam-nos através dos impostos, a nossa forma de vida, o que podemos ou não fazer. A captura da riqueza criada, através de impostos, para servir uma determinada classe social – portugueses de primeira -, que permite a perpetuação no poder, é bem visível.

Portugal é na actualidade o último reduto na Europa onde o socialismo, marxismo e trotskismo ainda respiram, numa versão mais hot que no resto do mundo, caso da Venezuela, Cuba, Laos, Vietname. Até a China já se desviou desse cisma. A velha máxima socialista está em força em Portugal.

Quanto menos se souber, quanta maior iliteracia, melhor. Propaganda, propaganda, propaganda. Acordar é preciso.

 

Feliz e próspero 2020

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

 

Pub

Categorias: Crónica, Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

António Manuel Reis

António Manuel Reis, nasceu em Barcelos a 07-10-1963. Concluiu em 1985, o curso na área de tinturaria têxtil UM/Mazagão. Formação em colorimetria, recursos humanos, automatização, sistemas de qualidade ISSO, planeamento, processos, produção. Industrial Têxtil de 1996 a 2009. Dirigente desportivo 1998 a 2004.Gestor empresarial de 2010 a 2013. Concluiu curso de formação de formadores em 2014. Trabalhador independente Real Estate Consultan 2018. Em curso, Licenciatura Ciências Sociais e Ciência Politica. Militante da JSD desde 1978/ Militante PSD desde 1981, delegado e Observador a Congressos, Delegado CPD, TSD, Membro da CPS, candidato a Presidente de Junta da UF Barcelos, deputado a UF. Candidato á Presidência da CPS. Membro independente da UF Barcelos. Partido Aliança em 2018.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.