Algumas unidades carecem de intervenção para darem melhor resposta às necessidades das populações

Saúde | Bloco questiona Governo sobre cuidados primários em Famalicão

Saúde | Bloco questiona Governo sobre cuidados primários em Famalicão

Pub

 

 

Após reunião com a direção do ACES do Ave, na pessoa do seu diretor executivo Ivo Sá Machado, José Maria Cardoso, deputado do Bloco de Esquerdo eleito pelo circulo eleitoral de Braga, e Raquel Azevedo, dirigente concelhia e distrital do mesmo partido político, concluíram que três das unidades deste ACES carecem de intervenção.

Tendo em vista a supressão destas carências, o Bloco de Esquerda entregou, na Assembleia da República, uma pergunta ao Governo, sobre os cuidados de saúde primários no Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Ave, concelho de Vila Nova de Famalicão.

Os deputados bloquistas, nomeadamente José Maria Cardoso, mas também Alexandra Vieira e Moisés Ferreira, pretendem que o Ministério da Saúde esclareça se vão ser efetuadas obras de beneficiação e ampliação da unidade de Famalicão, situada na Avenida 25 de Abril; se na USF Antonina, situada em Requião, vão ser realizadas obras de adaptação e beneficiação; e ainda saber se está prevista a construção da nova unidade de saúde em Joane , para a qual o Município de Famalicão já disponibilizou terreno, e que diligências vão ser desencadeadas nesse sentido.

“O Bloco de Esquerda pretende aferir se estas obras vão ser efetuadas, de modo a que a população servida por estas unidades possa ter acesso a cuidados de saúde de proximidade em instalações consentâneas”, indagam os deputados bloquistas.

Recorde-se que o ACES do AVE dá resposta a uma população de mais de 124 mil pessoas, residentes no concelho de Vila Nova de Famalicão e exercem funções 72 médicos, 90 enfermeiros e 49 secretários clínicos. Este agrupamento é constituído por seis unidades de cuidados de saúde personalizados (UCSP) e por dez unidades de saúde familiar (USF), uma unidade de saúde pública (USP), duas unidades de cuidados na comunidade que integram a equipa de cuidados continuados integrados (ECCI), um centro diagnóstico pneumológico, uma equipa coordenadora local (ECL) que é interlocutora com as unidades cuidados continuados, uma equipa de prevenção de violência em adultos (EPVA), um núcleo núcleo de apoio a crianças e jovens em risco (NACJR) e uma unidade de recursos assistenciais partilhados (URAP), com três psicólogos, um fisioterapeuta, um nutricionista, três técnicas de serviço social.

 

Fonte e Imagem: BE

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Política, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.