José Maria Cardoso: É fundamental não adiar mais nem encontrar desculpas para protelar medidas efetivas para desenvolver a rede de transportes públicos no distrito de Braga

Mobilidade | Bloco de Esquerda exige reforço de investimento na ferrovia no distrito de Braga

Mobilidade | Bloco de Esquerda exige reforço de investimento na ferrovia no distrito de Braga

Pub

 

 

O Bloco de Esquerda apresentou, na Assembleia da República, um projeto de resolução com vista a reforçar o investimento na ferrovia no Distrito de Braga, que propõe a requalificação das linhas ferroviárias, a ligação direta entre Braga e Guimarães, a criação de uma linha suburbana entre Barcelos e Porto e a integração modal, horária e tarifária de todos os modos de transportes públicos.

“Não obstante estas quatro cidades possuírem linha ferroviária, esta na$o se encontra interligada. Assim, uma viagem de comboio de Guimarães para Braga demora entre uma a duas horas; as cidades distam 25 quilómetros entre si”, assinala o Projeto de Resolução entregue no parlamento nacional, em iniciativa que surge na sequência da campanha eleitoral e em que, recorde-se o partido pugnou por este investimento tendo mesmo realizado uma viagem de comboio entre Guimarães e Barcelos para demonstrar o absurdo desta situação.

O deputado do Bloco de Esquerda eleito pelo círculo eleitoral de Braga, José Maria Cardoso, relembra “décadas de favorecimento do automóvel individual” e defende que “o direito efetivo à mobilidade só pode ser universal com base em transportes públicos coletivos”, uma vez que “sem essa transição para uma mobilidade cada vez mais coletiva e mais elétrica, nenhuma meta de descarbonização do país será cumprida”.

Segundo o deputado, no distrito de Braga, residem quase um milhão de pessoas (956185), existem pólos universitários da Universidade do Minho e do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave e inúmeras zonas industriais, o que implica muitos movimentos pendulares, principalmente entre as cidades do Quadrilátero – Barcelos, Braga, Famalicão e Guimarães. “Esta situação sobrecarrega e congestiona as vias de acesso a estas cidades e aumenta a poluição bem como o recurso a combustíveis fósseis”.

“É fundamental não adiar mais nem encontrar desculpas para protelar medidas efetivas para desenvolver a rede de transportes públicos no distrito de Braga, porque há muito que a população ouve falar no desenvolvimento da ferrovia mas esta tarda em chegar, pelo que o Bloco de Esquerda considera essencial que não se adie mais este investimento urgente”, conclui.

A este propósito, o Bloco de Esquerda recorda que, nos anos 70 do século passado, a Organização das Nações Unidas (ONU) reconheceu a existência de alterações climáticas. Desde então, as emissões mundiais praticamente duplicaram. Em tempos de emergência climática, o partido considera que urge assegurar uma transição energética que previna a catástrofe e defenda as pessoas, sendo fundamental desenvolver e eletrificar o transporte público, ferroviário e rodoviário.

Fonte e Imagens: BE

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.