22/11 Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, Braga

História | Armando Malheiro da Silva apresenta ‘O Miguelismo em Braga’

História | Armando Malheiro da Silva apresenta ‘O Miguelismo em Braga’

Pub

 

 

A Biblioteca Municipal Lúcio Craveiro da Silva, de Braga, acolhe no próximo dia 22 de novembro, às 21h30, uma Sessão de História Local dedicada ao tema “O Miguelismo em Braga”. O convidado é o professor Armando Malheiro da Silva, docente e investigador na Faculdade de letras da Universidade do Porto.

A sessão é integrada no programa ‘À Descoberta de Braga’, a sessão contará com uma breve animação musical pelo Grupo de Música Popular CABçudos.

Braga foi um dos palcos inevitáveis da guerra civil que agitou o nosso país entre 1828 e 1834. Devido ao seu inevitável vínculo à Igreja e a uma linha mais conservadora, os bracarenses colocaram-se ao lado de D. Miguel, o Rei que escolheu Braga para sua “corte” entre 1 de Novembro de 1832 a 1 de Junho de 1833, tendo ficado instalado no Palácio Arquiepiscopal. São inúmeros os dados comprovativos da miguelofilia de Braga e seu termo, entendida como receptividade plena ao discurso irracional e simbólico (mito radicado na carismática personalidade do Infante-Rei).

A estada de D. Miguel em Braga, ao entusiástico apoio que a cidade e a região circundante lhe prestou, perpetuando-o muito para além de 1834. Na luta renhida com as forças liberais, os contra-revolucionários portugueses empregaram um complexo dispositivo de propaganda, formalmente moderno, baseado num duplo efeito: defender, através de um discurso ideológico muito dogmatizado, a vetusta ordem teocrática consubstanciada na “santa aliança” do Trono com o Altar e, em simultâneo, estimular irracionalmente, graças ao forte perfil carismático do seu chefe – o Infante D. Miguel (1802-1866) -, o potencial mítico (subentenda-se messiânico) latente no imaginário colectivo.

Armando Malheiro da Silva nasceu em Braga em 1957. É Licenciado em Filosofia pela Faculdade de Filosofia de Braga da Universidade Católica Portuguesa e em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Em 1989, na Universidade do Minho, prestou Provas Públicas com uma tese intitulada Ideologia e Mito no Miguelismo. Subsídios para o estudo da contra-revolução no Portugal oitocentista. Dez anos ais tarde, concretiza o Doutoramento na Universidade do Minho, onde defendeu a tese Sidónio e Sidonismo. História e Mito. Armando Malheiro da Silva é professor associado da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e colaborador do CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar “Cultura, Espaço e Memória” e do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra (Ceis 20).

 

Fontes: Município de Braga, Universidade de Coimbra; Imagens: (0) Honoré Daumier, (1) autor desconhecido, (2) Tonyjeff

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Agenda, Cultura

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.