Miguel Matos

Cidadania | Elevar o debate político

Cidadania | Elevar o debate político

Pub

 

 

Nos últimos tempos, a minha presença em alguns eventos de natureza cívica e política, permitiu-me auscultar com atenção as ideias de muitos jovens da JSD (Juventude Social Democrata), de outras organizações políticas de juventude e, também, de muitos outros sem qualquer filiação partidária, tanto no nosso concelho de Vila Nova de Famalicão como em outros concelhos, em especial onde mantenho relações mais intensas derivadas do desenvolvimento dos negócios da empresa que fundei há mais de 20 anos.

Tenho ouvido os anseios e os argumentos dos jovens, quase sempre coerentes, mas, naturalmente, portadores da ingenuidade própria da idade, da falta de experiência profissional ou formação. Por isso, sou levado a concluir que é urgente irmos mais além, muito mais além, do que a realização das tão conhecidas “Universidades de Verão” – espaços de “formação política” dos jovens dos partidos que, presumivelmente, assumirão no futuro as rédeas dos vários poderes.

Parece-me urgente oferecer aos nossos jovens, em especial aos que desde cedo sentem um ímpeto mais forte pela ação política, uma estrutura permanente de formação política, uma “Universidade da Juventude”, com especial enfoque em áreas como a Contabilidade Pública, a Fiscalidade, o Cálculo Financeiro, a Macroeconomia, a Microeconomia e a Política Económica, que são as bases essenciais de uma qualquer discussão parlamentar, por exemplo, sobre um Orçamento de Estado ou um Orçamento Municipal.

Nas minhas participações nas sessões de esclarecimento que têm sido promovidas pelo PSD-Famalicão, na sua própria sede, constatei um enorme défice de formação em economia, finanças, contabilidade pública e, consequentemente, em questões de política económica, por parte de jovens militantes, simpatizantes e até mesmo entre deputados à Assembleia da República presentes.

Este défice de formação evidenciado pelas pessoas presentes nas suas intervenções diminui de forma dramática a sua capacidade de intervenção política, o que torna a grande maioria dos debates a que assistimos nos diversos espaços mediáticos, nomeadamente nas televisões, numa espécie de “conversas de café”.

No entanto, a par deste panorama desolador, e mais uma vez demonstrando fé e esperança nas novas gerações de agentes políticos, verifiquei que – quer nas intervenções dos mais jovens quer nas suas dúvidas e pedidos de explicações que me enviaram em privado, no final de cada uma das sessões –, verifiquei, dizia, um certo hesitar na exposição das ideias, quase como se tivessem receio que alguém ouvisse, mas, também – e isso considero um bom sinal – uma enorme vontade e procura de maior consistência nos argumentos políticos que lhes têm vindo a ser apresentados pelos seus líderes políticos, argumentos esses desprovidos de suporte técnico e de suporte  económico e fiscal.

Devemos começar, pois, cada um de nós, pela nossa esfera de influência política e formativa mais próxima. Por isso, lanço aqui o repto para que a estrutura política concelhia do PSD de Vila Nova de Famalicão crie uma estrutura formativa permanente, pelo menos nas áreas atrás descritas, dedicada aos seus jovens da JSD e a todos os jovens que simpatizem com os ideais do partido fundado por Francisco Sá Carneiro. Assim cuidaremos melhor do futuro do PSD e do futuro de Portugal.

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Crónica, Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Miguel Matos

Miguel Matos nasceu em Lousado, Vila Nova de Famalicão e reside em Vila Nova de Famalicão. Licenciado em Economia pela Faculdade de Economia do Porto. Pós-Graduação: MBA Executivo pela Porto Business School. Consultor de gestão e desenvolvimento de negócios, especialista em planeamento estratégico e avaliação económica e financeira de projetos de investimento. Fundador e CEO da APAMM Consultores de Gestão, empresa onde desde 1997 aplica o seu método de transformação de Empreendedores em Donos de Um Negócio. Autor do livro Seja Livre, Sendo Dono De Um Negócio (2017). Foi Presidente da Direção do Clube de Ténis Clube de Famalicão entre 2008 e 2016.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.