Líder social-democrata defende reforço da descentralização de competências do poder local

PSD | Rui Rio: ‘Eleições autárquicas são decisivas para o PSD’

PSD | Rui Rio: ‘Eleições autárquicas são decisivas para o PSD’

Pub

 

 

Rui Rio considera que” as eleições autárquicas de 2021 serão decisivas para o futuro do PSD continuar a ser um grande partido”. Intervindo no II Fórum Autárquico Distrital do Porto do PSD, em Paços de Ferreira, este sábado, 15 de novembro, Rui Rio recorda a relevância do poder autárquico assinalando que o PSD chegou a ter 157 presidências de câmaras, em 2005, mas detém atualmente apenas 98 municípios, contrapondo estes aos valores do PS. “Se queremos continuar a ser um grande partido, mais do que termos muitos deputados, temos de ter mais presidentes de junta e muitas câmaras municipais. As autarquias é que representam a nossa implantação no terreno”, afirmou.

Além da tendência de perda de municípios nas três últimas autárquicas, Rui Rio alerta para as baixas votações que ocorreram em grandes centros urbanos, como Lisboa e Porto, e noutras capitais de distrito, como Setúbal, Évora e Portalegre. “Para o PSD, as eleições autárquicas são absolutamente vitais. (…) As próximas eleições autárquicas são decisivas para o futuro do PSD”, disse.

Rui Rio conta com todos, em especial com os autarcas social-democratas para inverter esta trajetória de perda no poder local. “Agora [em 2020 e 2021] as estruturas locais têm de se dedicar a sério às autárquicas”, observou.

Rui Rio incitou os militantes para que em cada município, onde o PSD é oposição, seja constituído um conselho estratégico local para “pensar o concelho, propor soluções e, com isso, fazer ligações às forças vivas”.

Rui Rio elogiou o trabalho dos autarcas que, ao longo de 45 anos de democracia, têm estado na linha da frente para promover o bem-estar dos portugueses. “O trabalho do poder local é notável. Com erros, sim. Erros urbanísticos enormes, sim, é verdade, porque foi feito por homens e mulheres. Mas se virmos depois o balanço final, é extraordinário o aumento de qualidade de vida que é devido às juntas de freguesia e às câmaras municipais”, apontou.

Rui Rio lembra que a “dívida pública é de 120% do PIB”, mas “o poder local representa 2% do PIB”. “A responsabilidade da dívida” e a falta de “contas rigorosas” são, insiste Rui Rio, da administração central. Isto acontece, porque “o poder local tem a proximidade que a administração central não tem”. “A proximidade é que dá a competência. Se eu estiver em Lisboa e tiver de resolver um problema de Paços de Ferreira, a probabilidade de eu acertar é muito menor”, frisou.

Nesse quadro, Rui Rio defende o reforço da descentralização das competências do poder local como “passo no sentido do desenvolvimento e na otimização da despesa pública”. Um processo que, para o líder do PSD, deverá fazer-se acompanhada de “envelopes financeiros equilibrados”.

 

Fonte e Imagem: PSD

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

 

Pub

Categorias: Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.