Projeto ‘Visão’25 – Comunidade de Futuro’ vence categoria ‘Norte – mais de 20 mil habitantes’

UM-Cidades | Famalicão distinguido no prémio Município do Ano

UM-Cidades | Famalicão distinguido no prémio Município do Ano

Pub

 

 

O Funchal, com o projeto “Funchal, Destino Acessível“, venceu o grande prémio Município do Ano Portugal 2019, atribuído pela Universidade do Minho, através da plataforma UM-Cidades. A gala, que distingue as boas práticas dos municípios, decorreu na sexta-feira, 15 de novembro, no Mosteiro de Arouca.

Nas nove categorias a concurso, “Norte – menos de 20 mil habitantes” foi ganho por Melgaço, com o seu “Festival Internacional de Documentário” e “Norte – mais de 20 mil habitantes” ficou entregue a Famalicão, com o festival “Visão’25 – Comunidade de Futuro“. Em “Centro – menos de 20 mil habitantes” triunfou Oleiros, com “Programa de Apoio ao Luto“, e em Centro – mais de 20 mil habitantes” foi laureado Fundão, com “Centro para as Migrações do Fundão“. Na Área Metropolitana do Porto foi distinguida a “Rota da Filigrana“, de Gondomar, enquanto na Área Metropolitana de Lisboa foi evidenciado o projeto “Eixos Verdes e Azuis de Sintra“, de Sintra.

Já o galardão da categoria “Alentejo” foi para Ponte de Sor, pelo projeto “Portugal Air Summit“, enquanto o do Algarve foi para Vila do Bispo, pelo projeto “Conhecimento do Património Local“, e o das regiões autónomas para o Funchal, com o projeto “Funchal, Destino Acessível“, que venceu também o grande prémio final. Nesta sexta edição da iniciativa atribuiu-se ainda, pela primeira vez, a categoria intermunicipal, que destacou o “Parque das Serras do Porto“, de Gondomar, Paredes e Valongo.

O concurso, que teve 51 candidaturas nesta edição, visa reconhecer as boas práticas de projetos implementados pelos municípios com impacto no território, na economia e na sociedade, promovendo o crescimento, a inclusão e a sustentabilidade. Pretende também colocar na agenda a temática da territorialização do desenvolvimento, perspetivada a partir da ação das autarquias, bem como valorizar realidades diversas que incluam as cidades e os territórios de baixa densidade nas diferentes regiões do país.

A iniciativa tinha sido ganha em 2014 pelo município de Lisboa (projeto “Há Vida na Mouraria”), em 2015 por Vila do Bispo (projeto “Festival de Observação de Aves & Atividades de Natureza”), em 2016 pelo Fundão (projeto “Academias de Código”), em 2017 por Guimarães (projeto “Pay-as-You-Throw no Centro Histórico de Guimarães”) e em 2018 por Arouca (projeto “Arouca – Geoparque Mundial da UNESCO”).

Fonte: UM-Cidades

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.