Saldo da balança comercial do setor continua positivo, apesar da ligeira quebra de vendas ao exterior em 2019

Negócios | Exportações têxteis crescem 2% em setembro

Negócios | Exportações têxteis crescem 2% em setembro

Pub

 

 

As exportações portuguesas de têxteis e vestuário cresceram 2% em setembro. Ainda assim este crescimento revelou-se insuficiente para as levar para um terreno positivo. No acumulado dos primeiros nove meses de 2019, as exportações da Indústria Têxtil e do Vestuário nacional atingiram  os 3,957 milhões de euros, o que representa um descida de 0,9% face ao mesmo período de 2018, revela o T-Jornal, órgão de comunicação especializada da ATP – Associação Têxtil e de Vestuário de Portugal.

De acordo com os dados divulgados pelo INE e analisados pela ATP, um dos factos mais salientes é o crescimento de 8,5% nas vendas para os Estados Unidos, que representam atualmente 6% no total das exportações têxteis portuguesas, ficando próximas das efetuadas para o Reino Unido (7%) e da Alemanha (8%), mas ainda bastante distantes da França (13%) e da Espanha, mercado que mais absorve os produtos nacionais (31%).

O crescimento de 4,7% nas vendas para destinos não comunitários é igualmente destacado, categoria na qual os EUA registam o maior aumento absoluto (+19,8 milhões de euros, ou seja, +8,5%). Turquia, Canadá, India, Trinidad e Tobago e Vietname são outros destinos não comunitários que figuram no ranking dos que registaram maior crescimento.

Em termos homólogos, os destinos intra-comunitários registaram uma queda de 2% nos primeiros nove meses do ano,. Espanha e Alemanha foram os destinos com maiores quedas absolutas, respetivamente menos 49 milhões de euros (-3,8%) e  menos 16 milhões de euros (-4,5%).

Com as importações de têxteis e vestuário a subir – aumento de 3,1%, sobretudo devido ao aumento das importações de produtos acabados, como vestuário e têxteis para o lar, que registaram um aumento de 6,2% e 5,1%, respetivamente -, o saldo da balança comercial do setor, embora ainda bastante positivo, tem vindo a degradar-se. Neste momento, o saldo tem o valor de 680 milhões de euros, representando uma taxa de cobertura de 121%.

O vestuário de malha foi a categoria que regista maior queda absoluta nas exportações até setembro: menos 45 milhões de euros (queda de 2,7%), seguindo-se as matérias-primas de algodão, incluindo fios e tecidos (menos 12 milhões, queda de 9,8%), face ao mesmo período de 2018.

A contrariar este desempenho, as exportações de pastas, feltros e artigos de cordoaria assinalaram o maior acréscimo percentual (10,8%), num valor de 20 milhões de euros, e o vestuário em tecido registou um crescimento de 3,8%, o que representou o maior aumento absoluto, num total de 27 milhões de euros.

Fonte: T-Jornal; Imagens: (0) Decen1o, by Maria Rita, (1) T-Jornal

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Economia

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.