XVII Jornadas de Cultura Alemã incluem exposição, palestras, ciclo de cinema e concurso de escrita criativa

História | UMinho assinala 30 anos da queda do muro de Berlim

História | UMinho assinala 30 anos da queda do muro de Berlim

Pub

 

 

O Departamento de Estudos Germanísticos e Eslavos do Instituto de Letras e Ciências Humanas (DEGE-ILCH) da Universidade do Minho, em Braga, assinala este mês os 30 anos da queda do Muro de Berlim, que deixou de dividir a Alemanha e o mundo em dois blocos políticos. O programa das “XVII Jornadas de Cultura Alemã” inclui uma exposição, palestras, um ciclo de cinema e um concurso de escrita criativa. As iniciativas têm participação gratuita e decorrem no campus de Gualtar, em Braga.

O espaço B-lounge da Biblioteca Geral acolhe até 23 de novembro a mostra “O poder das emoções. Alemanha 19|19“. Há para ver vinte cartazes, cada um sobre uma emoção, desde o afeto e o amor, a curiosidade e a cólera, o entusiamo e a esperança, o luto e o medo, até ao ódio, a repugnância e a vergonha. As 140 fotos e fac-símiles presentes trazem uma nova conceção de olhar para a História através dos afetos. Aborda-se, por exemplo, a Constituição da primeira República Alemã (1919), a depressão económica (1929), o início da II Guerra Mundial (1939), a criação das “duas Alemanhas”, RDA e RFA (1949), a mudança para a social-democracia na RFA (1969) e a queda do muro de Berlim (1989).

Em simultâneo, decorre um concurso de escrita criativa em língua alemã, que desafia os interessados a enviarem um texto com cerca de 400 palavras relacionado com as emoções evocadas na exposição, até dia 30, para o email natnunes@ilch.uminho.pt. O vencedor vai ser anunciado a 10 de janeiro de 2020, no facebook do DEGE. Entretanto, esta quarta-feira, dia 6, às 16h00, também no B-lounge, realiza-se a aula aberta “‘Emoções ao rubro’: O outono quente de 1989 e a queda do Muro de Berlim”, com intervenções de Mário Matos e Nadejda Machado, professores do DEGE.

Já o ciclo de cinema está marcado para os dias 11, 12 e 28, respetivamente com os filmes “Alameda do Sol” (1999), de Leander Hauβmann, Adeus Lenine!” (2003), de Wolfgan Becker, e “A Revolução Silenciosa” (2018), de Lars Kraume. As duas primeiras sessões começam às 16h00 e a última às 14h00, sempre no auditório do ILCH. As películas refletem diversas questões socioculturais e políticas no seio da extinta República Democrática Alemã.

As “XVII Jornadas de Cultura Alemã” são promovidas pelo DEGE-ILCH e pelo Núcleo de Estudos Transculturais do Centro de Estudos Humanísticos da UMinho. A exposição tem o apoio do Instituto Goethe, do Ministério Federal das Relações Externas da Alemanha, da Fundação Memória, Responsabilidade e Futuro e da Fundação Federal para a Investigação da Ditadura do SED (Partido Único Socialista).

Fonte e Imagens: UMinho

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Agenda, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.