Sandra Gonçalves

Clipping | Idosos órfãos de filhos vivos…

Clipping | Idosos órfãos de filhos vivos…

Pub

 

 

Só nos primeiros três meses de 2019, a PSP instruiu 3684 processos de violência contra idosos, tendo sido identificadas 3778 vítimas. Em 2018, foram sinalizados 16206 idosos vítimas de violência, ou seja, uma média de 44 idosos por dia.

Absolutamente escandalosos, os maus tratos contra os idosos são um fenómeno social que vive do silêncio, e num crescendo assustador … Quantos milhares de idosos são maltratados no nosso país, muitas vezes por aqueles que lhes são mais próximos.

Depois de árduos anos a criar uma família, muitas vezes em esforços descomedidos para sobrevivência do agregado familiar, os idosos recebem como oferenda de final de vida – o troféu da meta alcançada – abandono, maus tratos, coação moral, entre muitas outras formas de dizer “obrigado pai – mãe/ avó e avô”

É um facto que muitos dos casos estão no silêncio, seja por receio da vítima, seja pelo silêncio das pessoas que sabem destas situações, mas não as denunciam”. Digo alto e em bom som que é um ato de cobardia saber e nada fazer.

E não se pense que os maus tratos a pessoas idosas se circunscrevem aos maus tratos físicos ou, então, a questões financeiras e de exploração material. Muitas das agressões a  estes seres, que tudo nos deram,  são maus tratos do foro psicológicos que muitas vezes são associados à componente física, mas também ao não respeito pela dignidade, culminado em situações de negligência e abandono.

O quadro legal português passou a ser mais agressivo para quem maltrata cães do que para quem maltrata idosos.

Ano após ano, as histórias de abandono avolumam-se e, porque está a chegar ao Natal , não  podemos  deixar de pensar nos quantos velhinhos e velhinhas desde país  irão estar, mais uma vez, à mercê do abandono em hospitais e lares, enquanto os seus familiares se debatem entre mesas de maior repasto e discussões fúteis sobre oferendas de milhões e de milhares.

Em Março deste ano, um idoso de 83 anos foi agredido, despido e colocado num caixote do lixo, em Ribamar, Ericeira. A vítima foi salva duas horas depois, por transeuntes que o ouviam gemer, gritando por socorro.  O autor das agressões foi o seu próprio filho que residia com o pai.

Isto é a sociedade atual, distorcida de valores – onde se desdenha  aquilo que não interessa, SE DEITA AO LIXO – o VELHO – a VELHA – O ENTULHO.

E felizes vamos caminhando neste quadro hediondo, o Estado na sua soberania observa e pouco faz;

A Sociedade civil, no registo ocupado do quotidiano, e das causas “mais nobres”, a que esta parece ficar alheia,  observa e pouco faz;

Cada um de muitos  de nós, ciosos do nosso mundo, preocupados em crescer, evoluir, alcançar objetivos, não perdermos tempo com o que não merece o nosso tempo. Senhores do tempo e do saber, somos, inconscientes e ingratos, observamos e nada fazemos.

Imagem: Cristina Gottardi

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Crónica, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Sandra Gonçalves

Sandra Duarte Gonçalves nasceu em Angola, cidade do Lobito em 1975. Licenciou-se em Direito em 2001, na Universidade Moderna do Porto. Em 2012 iniciou os estudos de Mestrado em Direito dos Contratos e das Empresas na Universidade do Minho, e em 2015 o Mestrado de Gestão das Industrias Criativas na Universidade Católica do Porto. Inicia a sua formação como advogada em Barcelos, cidade que escolhe para o estágio e o posterior exercício da advocacia, onde atualmente se encontra sob o comando do escritório SDG Advogados. Em 2016 iniciou a atividade de docência no IPCA, dedicando-se, atualmente, em exclusividade à advocacia e assessoria empresarial em termos profissionais. Dedica parte do seu tempo às causas socias e ao voluntariado, sendo atualmente a “violência doméstica” e a “violência sobre idosos”, as causas onde tem exercido mais ingerência, como palestrante, oradora e coordenadora de diversas iniciativas. Militante do PSD desde os 14 anos de idade é atualmente membro da Comissão Política de Secção de Barcelos e coordenadora da secção de Justiça, Cidadania e Igualdade do Conselho Estratégico de Barcelos. É católica praticante. É casada e mãe de quatro filhas.

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.