Festival de Teatro Amador decorre até 20 de outubro

Teatro | ‘Palcos’ regressa ao palco em Santo Tirso com mais uma edição recheada de histórias

Teatro | ‘Palcos’ regressa ao palco em Santo Tirso com mais uma edição recheada de histórias

Pub

 

 

O ‘Palcos – Festival de Teatro Amador‘ de Santo Tirso está de regresso em quinta edição. Organizado pela Companhia de Teatro de Santo Tirso e a respetiva Câmara Municipal, teve início a 4 de outubro e decorre até ao próximo dia 20 com espetáculos de entrada livre, em várias freguesias do concelho tirsense.

A conquistar cada vez mais público, o Palcos entra em mais uma edição recheada de histórias dramatizadas por várias companhias de teatro que extravasam os limites da comédia. O drama, os espetáculos infantis o registo trágico-cómico são algumas das apostas deste ano que contará, inclusive, pela primeira vez, com a presença de uma companhia de Teatro brasileira. Ao todo são oito peças que estarão em cena.

“Há pessoas que acompanham todos os espetáculos do Festival e que já marcaram presença em várias edições”, adianta o presidente da Câmara, Alberto Costa, salientando o crescente sucesso da iniciativa. “Temos vindo a criar novos hábitos culturais na população, apostando na diversidade de espetáculos, mas também na sua descentralização”, explica, sublinhando que “isso tem sido visível nas lotações das salas que, de ano para ano, ganham público”.

O próximo fim de semana, marcado pela comédia, assistirá às últimas representações do ‘Palcos’. Primeiro com “Josefina e Clementina”, dramatizada pelo Pateo das Galinhas, no Centro Paroquial de Monte Córdova, dia 19, pelas 21h30. No último dia estará em cena “Como estamos de amores?”, no Centro Cultural Municipal de Vila das Aves, a última peça do Palcos, pelo Cale Estúdio Teatro.

O Festival começou na Escola Secundária Tomaz Pelayo, sendo o primeiro espetáculo levado a cena pela Companhia de Teatro de Santo Tirso que, ao longo de 50 minutos, explorou a essência de “Uma Casa à Portuguesa”. Uma comédia que explora a dinâmica familiar em torno da celebração da reforma do pai.

O público pôde também já assistir ao drama “A Forja de Alves Redol”, pelo Teatro Experimental de Mortágua , “Cordel – Uma viagem pela cultura popular” e “João e o pé de feijão”, pela Companhia Teatral de Procênio, do Brasil, “O Rei está a morrer”, pelo Teatro Aviscena, e “Burro vai, burro vem”, pela Roderikus – Companhia de Teatro de Roriz.

Todos os espetáculos têm entrada livre.

 

Fonte e Imagens: Município de Santo Tirso

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Agenda, Cultura, Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.