Pedro Maia Martins entrevista candidata do Livre pelo círculo eleitoral de Braga

Legislativas | Teresa Salomé: A raiz ambiental será sempre um dos pilares do Livre, juntamente com a igualdade, a liberdade e o europeísmo

Legislativas | Teresa Salomé: A raiz ambiental será sempre um dos pilares do Livre, juntamente com a igualdade, a liberdade e o europeísmo

Pub

 

 

Pedro Maia Martins: Como se apresenta aos nossos leitores?

Teresa Salomé: Sou natural de Tomar, vivi em Lisboa muito tempo e vim viver para Braga há muitos anos. Durante muito tempo dividi o meu tempo entre Braga e a capital, onde fazia investigação, mas acabei por estabelecer por aqui. Neste momento trabalho como geóloga, numa empresa que fornece serviços de geologia ligados à conservação da natureza. Fui professora do ensino secundário durante muitos anos e também já dei aulas de História da Ciência na Universidade do Minho. Mas acho que uma pessoa não se esgota na sua dimensão profissional. Neste momento estou envolvida nas Leituras Dramáticas, ligadas à Companhia de Teatro de Braga.

PMM: Como entrou na política?

TS: Quase tudo o que fazemos na nossa vida pública tem uma dimensão política. Eu já me tinha envolvido ativamente com a legalização da interrupção voluntária da gravidez. O meu ativamente consistia em conhecer as causas e conversar com as pessoas quando me interessava. Eventualmente vinha para a rua, mas nunca estive ligada a nenhum grupo ou partido. Era uma ativista de causas, por assim dizer.

O meu envolvimento com a política partidária começou com as eleições europeias. Apesar continuar a ser independente, já era simpatizante do Livre desde o surgimento do partido. Eu fui desafiada a candidatar-me às primárias e fiquei no décimo-sexto lugar da lista já nessa altura. Aquando das legislativas, voltaram a desafiar-me e eu aceitei (risos). Fiquei em primeiro nas primárias para as legislativas e aqui estou eu, como cabeça de lista por Braga.

PMM: Relativamente ao distrito de Braga, quais são as áreas de atuação mais importantes?

TS: A mobilidade é um aspeto fundamental. É prioritário fazer uma ligação entre o quadrilátero urbano Braga, Guimarães, Famalicão e Barcelos. Não há uma ligação cómoda e ao mesmo tempo ambientalmente sustentável. Não seria possível realizar esse projeto a curto prazo. Seria necessário pensar nalgum primeiro passo em termos de transportes públicos rodoviários. É necessária uma melhoria em termos de autocarros. Temos também de pensar nalguma intermodalidade entre os transportes já existentes. Da mesma forma, é necessário apoiar o transporte individual não motorizado, como as bicicletas. Seria positivo alargar as ciclovias para além dos centros urbanos. Mas o ideal a longo prazo seria substituir o transporte rodoviário pelo ferroviário, quer através de um metro de superfície, quer através do alargamento da rede ferroviária já existente.

A raiz ambiental será sempre um dos pilares do Livre, juntamente com a igualdade, a liberdade e o europeísmo. O ambiente é uma questão transversal, não só aqui, mas em todo o lado. Nós temos o Parque da Peneda-Gerês, no qual é possível ver a falta de investimento nos recursos humanos e financeiros. Nos últimos anos, o Instituto da Conservação da Natureza e Florestas tem sofrido uma redução, sobretudo nos serviços ligados aos parques. Seria bom repensar esse investimento, apesar de ser algo alocado aos estado central e não aos municípios do distrito. Mas sendo o único parque natural que o nosso distrito tem, é necessário evitar o abandono e o descuido. Em grande parte, os incêndios de há dois anos alastraram graças a esse abandono. É necessário intervir na área ambiental.

A regionalização é outra proposta presente no programa do livre desde a sua fundação. Nós defendemos um referendo sobre o assunto, mas bem pensado e com informação acessível e facilmente difundida, tanto dos partidários do “sim” como dos partidários do “não”. Deverão ser os cidadãos a ter a última palavra. Nós estaremos sempre do lado do “sim”.

PMM: Quais são as mais-valias que poderá trazer se for eleito (devido ao seu currículo e personalidade)?

TS: É sempre um bocadinho aborrecido falar em causa própria (risos). A minha formação é transversal, interdisciplinar. A minha base é a Geologia e doutorei-me em História, mas fui professora durante muitos anos e continuo a acompanhar a área educativa. Isso ajuda-me a compreender a realidade da educação e compreender certas dinâmicas sociais. Neste momento trabalho no privado, o que possibilita compreender as especificidades do setor privado, sobretudo no caso das PME, que é o caso do meu local de trabalho.

PMM: Que poderemos esperar dos seus camaradas?

TS: É uma lista paritária, com igual número de homens e mulheres. Há vários representantes do distrito, oriundos dos diversos concelhos que o compõem e com formações variadas. Eu só posso dizer bem e, na realidade, só digo bem. Tem sido uma experiência muito agradável e enriquecedora, embora seja bastante trabalhosa. Acho que a atividade política é uma das áreas na qual o ser humano se realiza muito, também por causa de trabalhar com outras pessoas. No caso dos meus companheiros de lista, tem-me permitido fazer coisas que eu nunca tinha feito.

**

*

VILA NOVA, o seu diário digital

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Como contribuir e apoiar a VILA NOVA?

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de netbanking ou multibanco (preferencial), mbway ou paypal.

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

MBWay: 919983484

*

Obs: envie-nos os deus dados e na volta do correio receberá o respetivo recibo para efeitos fiscais ou outros.

*

Gratos pela sua colaboração.

*

Pub

Categorias: Política

About Author

Pedro Maia Martins

Esposendense de nascimento, barcelense de criação e conimbricense por hábito. Licenciado em Jornalismo e Comunicação pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Colaborou no passado com o Jornal Universitário de Coimbra - a Cabra e com a Revista Via Latina - Ad Libitum. Foi o último editor de País e Mundo do referido jornal. Colabora neste no momento com a Vila Nova Online e a Revista Bica.

Write a Comment

Only registered users can comment.