O filme é ‘uma história de mistério cujo mistério reside no rosto das personagens, nos seus gestos, objectos e histórias, entre os quais as ligações são obscuras e aparentemente insondáveis’

‘Casa de Lava’ (1994) deixou um rastilho na obra de Pedro Costa

‘Casa de Lava’ (1994) deixou um rastilho na obra de Pedro Costa

Pub

 

 

‘Quando Casa de Lava estreou em 1995, ninguém, nem mesmo os que imediatamente o reconheceram como um título capital, podia imaginar o rasto – o rastilho – que este filme deixaria na obra de Pedro Costa’.

No início da entrevista dada ao jornal Público por alturas da estreia do filme, Pedro Costa diz que “a Mariana é a única coisa de ficção que ficou no filme, em todas as suas componentes, traços, movimentos, sítios por onde passava, frases – foi o único diálogo onde não se mexeu, para além do trabalho normal de rodagem. Tudo o resto foi trabalhado à medida das pessoas, os cabo-verdianos, que ia encontrando. A vaga memória que tenho do argumento é a de uma história romanesca, num sítio exótico, com variadíssimos “pastiches” do I Walked with a Zombie [Jacques Tourneur], do Lord Jim, dos filmes de aventura do Tourneur, dos livros do Conrad, dos filmes de Fritz Lang. De todo o lado vinha uma frase, um cheiro. Mas o mais interessante foi que a decisão de partir para o mais longe possível nos aproximou – a mim, ao Pedro Hestnes e à Inês – de nós próprios.

“Acho que o filme é feito desse movimento: é um filme, por esse afastamento, muito mais aberto ao mundo político, social, e à vida, e que me esconde mais do que O Sangue. A Inês vejo-a muito pegada a mim, é o meu lado feminino nos dois filmes. Sou eu em mulher. Mas os outros – os cabo-verdianos, e quando falo nos cabo-verdianos falo no Pedro Hestnes, na Edith [Scob] e no Isaach [de Bankolé] – escondem-me muito. Tinha a sensação de que O Sangue era um filme de exposição, feito sobre sensações e sentimentos, em que tentávamos a todo o custo expor-nos e ser sinceros – quando no fundo estávamos a ser enganados pelo cinema.”

No seu antigo blog, Disco Duro (que tem novas entradas em 2018 e até 2019), Luís Miguel Oliveira escreveu que “quando Casa de Lava estreou em 1995, ninguém, nem mesmo os que imediatamente o reconheceram como um título capital, podia imaginar o rasto – o rastilho – que este filme deixaria na obra de Pedro Costa. Esse rastilho ainda não deixou de arder, como sabe quem tem acompanhado essa obra, e como pôde confirmar quem já tiver visto o último filme de Costa, Cavalo Dinheiro. Mas em 1995 era inimaginável a consequência que Casa de Lava teria, ou a descendência: num certo sentido que não é preciso rebuscar muito, quase o que tudo o que Costa fez entre OssosCavalo Dinheiro é um “filho” deste filme.

“Rebuscando um bocadinho mais, aqueles planos do vulcão em erupção, o fogo na Ilha do Fogo, que abrem Casa de Lava (e que são extraídos a Erupção da Ilha do Fogo, de Orlando Ribeiro), têm hoje um duplo sentido: não anunciam apenas a natureza de um território específico, a ilha cabo-verdeana onde o essencial do filme decorre, anunciam também essa “lava” que Pedro Costa ainda não deixou de trabalhar. O espectador que nunca tenha visto Casa de Lava, mas conheça a obra posterior do realizador, não deixará de se espantar com a quantidade de coisas – por exemplo a carta dos “cem mil cigarros” – que aqui se prefiguram ou que depois serão liminarmente repetidas ou re-enunciadas noutros filmes.”

cinema - filme - casa de lava - pedro costa - obra - realizador - cinema

Já Chris Fujiwara, no grande empreendimento editado por Ricardo Matos Cabo e chamado Cem Mil Cigarros – Os Filmes de Pedro Costa, escreve que “Casa de Lava é uma história de mistério cujo mistério reside no rosto das personagens, nos seus gestos, objectos e histórias, entre os quais as ligações são obscuras e aparentemente insondáveis. “Há muita coisa que menina não sabe nem adivinha”, diz-se a Mariana; ou então: “Tu não sabes nada!” Os diálogos negam constantemente o conhecimento, ou então aludem à dificuldade em compreender, dando a entender que não é preciso resolver o mistério do filme e que é melhor não o perceber demasiado depressa.

“O mistério das origens ganha uma importância extrema. Casa de Lava torna as origens num problema, levando-nos a perguntar, em relação às personagens, de onde virão e para onde irão – e deixando-nos sem resposta clara. “- O Leão é seu filho? / – A Alina tem mais de vinte”; “- Porque é que vieste? – Não devias ter vindo”; “- Ela é tua mãe, não é? / – Esquece-a.” Mariana assume, ou usurpa, a função de mãe, fazendo de Leão o seu filho adoptivo. Pergunta-lhe: “De que é que se lembra?”, e ele responde, recompensando-a com as palavras de um filho inspirado: “Do sangue, do Escuro, […] das tuas mãos, do teu cheiro.” Ela gostava de acreditar, como lhe diz, que ele “agora vai começar uma vida nova”. Mas vai-se embora quando lhe falam de uma outra vida nova, a do rapaz que Leão perfilhou. (Mariana passa grande parte do filme a afastar-se de outras pessoas – um percurso estranho para uma enfermeira: está sempre a partir, mas é difícil dizer para onde se dirige.)”

cinema - filme - casa de lava - pedro costa - obra - realizador - cinema

Pedro Costa, que tem estado com o Lucky Star desde a estreia do cineclube e do qual já foram exibidos O Nosso HomemNo Quarto da VindaJuventude em Marcha (apresentado em vídeo pelo professor Carlos Melo Ferreira) e Cavalo Dinheiro, regressa a este cineclube. Sabendo do fascínio que Carlos Melo Ferreira sempre teve pela obra do cineasta português, dedicando-lhe um livro publicado ainda o ano passado, o Lucky Star – Cineclube de Braga exibiu a a sua segunda longa-metragem, Casa de Lava, no auditório da Casa do Professor, em Braga, esta quinta-feira, 26 de setembro, inserida no mini-ciclo de homenagem ao cinéfilo.

Sobre essa experiência decisiva na obra do cineasta português que nunca mais largou essa terra e essas gentes, Carlos Melo Ferreira escreveu no seu derradeiro livro, chamado simplesmente “Pedro Costa”:

“Filme de ficção em que o documentário emerge, Casa de Lava é o filme-charneira na obra do cineasta, (…) sinaliza o fim de um tempo de harmonia”.

cinema - filme - casa de lava - pedro costa - obra - realizador - cinema

Ficha técnica

Casa de Lava, 1994, realizado por Pedro Costa.

Com: Inês Medeiros, Isaach de Bankolé, Edith Scob, Pedro Hestnes, Sanda do Canto Brandão, Cristiano Andrade Alves, Raul Andrade, João Medina, António Andrade e Manuel Andrade, entre outros.

110 minutos, Cores, Portugal / França

Sinopse (Cinemateca):

Pedro Costa, revelado alguns anos antes com o fabuloso O SANGUE, confirmou com CASA DE LAVA todas as expectativas criadas por esse primeiro filme (no entanto, completamente diferente). Na paisagem vulcânica de Cabo Verde, filmada como se toda a vida (animal, vegetal ou mineral) tivesse sido coberta por um lençol de cinzas, CASA DE LAVA é outra história de dor e de sangue, vivida por “zombies” e outros seres amaldiçoados que junta, mais uma vez, o par do seu primeiro filme: Inês de Medeiros e Pedro Hestnes.

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

A Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de transferência bancária.

MB Way: 919983484

Netbanking ou Multibanco:

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Braga, Cinema, Cultura

Acerca do Autor

João Palhares

Natural do Porto, João Palhares editou os dois únicos números da revista portuguesa Cinergia, colaborando ainda com revistas estrangeiras como a italiana “La Furia Umana” ou a “Foco – Revista de Cinema”, do Brasil. Em 2015, fundou o Lucky Star com José Oliveira, cineclube em que também programa e para o qual escreve folhas de sala, colaborando ainda com traduções. Foi colaborador do site “À Pala de Walsh” entre 2012 e 2015.

Comente este artigo

Only registered users can comment.