Descobertas recentes são consistentes com história bíblica

Arqueologia | Reino de Edom identificado em territórios de Israel e da Jordânia

Arqueologia | Reino de Edom identificado em territórios de Israel e da Jordânia

Pub

 

 

O Génesis (primeiro livro da Bíblia) descreve um reino edomita do início do século 10 aC: “… os reis que reinaram em Edom antes que qualquer rei israelita reinasse”. Mas os registos arqueológicos até agora conhecidos conduziam a interpretações conflituosas em relação a este texto. Agora, um estudo da Universidade de Tel Aviv publicado na PLOS ONE em 18 de setembro confirma que o reino de Edom floresceu no deserto de Arava, em territórios dos atuais Israel e Jordânia, durante os séculos 12 a 11 aC.

 

 

A análise especializada de espécimes encontrados em locais de produção de cobre em Arava, liderada pelo Prof. Erez Ben-Yosef do Departamento de Arqueologia e Culturas Antigas do Oriente Próximo da TAU e pelo Prof. Tom Levy da Universidade da Califórnia, em San Diego, nos EUA, revela a história não contada de uma sociedade rica e próspera liderada por uma “rede de alta tecnologia” em cobre.

O cobre, usado nos tempos antigos para produzir ferramentas e armas, era o recurso mais valioso do antigo Oriente Próximo. A produção de cobre é um processo complexo, exigindo diferentes estágios e níveis de conhecimento.

A equipa do Professor Ben-Yosef analisou centenas de descobertas de antigas minas de cobre em Faynan, na Jordânia, e Timna, em Israel, para reconstruir a evolução e o refinamento da indústria manufatureira deeste minério ao longo de 500 anos, abrangendo o início do primeiro milénio aC (1300-800) e identificou mudanças drásticas na escória de cobre descoberta nos locais de Arava.

“Usando a evolução tecnológica como representante dos processos sociais, conseguimos identificar e caracterizar o surgimento do reino bíblico de Edom”, explica o Professor Ben-Yosef. “Os resultados demonstram que aconteceu antes do que se pensava anteriormente e de acordo com a descrição bíblica”.

As análises do professor Ben-Yosef sobre a escória de cobre, o desperdício da extração de cobre pela fundição, mostram uma clara queda estatística na quantidade de cobre na escória ao longo do tempo, indicando que a produção se tornou habilmente aperfeiçoada em termos de eficiência. Os pesquisadores atribuem essa melhoria repentina a uma das invasões egípcias mais famosas da Terra Santa: a campanha militar do faraó Shoshenq I – o bíblico “Shishak“-, que saqueou Jerusalém no século 10 aC.

A nova pesquisa indica que a intervenção do Egito na terra de Edom não foi acompanhada de destruição. Em vez disso, desencadeou um “salto tecnológico” que incluía produção e comércio de cobre mais eficientes.

“Demonstramos uma repentina padronização da escória na segunda metade do século 10 aC, desde os locais de Faynan, na Jordânia, até aos locais de Timna, em Israel, uma extensa área de cerca de 2.000 quilómetros quadrados, que ocorreu exatamente quando os egípcios entraram na região “, diz o Professor Ben-Yosef. “A eficiência da indústria do cobre na região progrediu. Os Edomitas desenvolveram protocolos de trabalho precisos que lhes permitiam produzir uma quantidade muito grande de cobre com o mínimo de energia“.

Mas o Egito, naquela época, exercia um poder débil, de acordo com o Professor Ben-Yosef. Embora a sua influência na região seja clara, provavelmente não controlava a indústria do cobre, que continuava a ser uma especialidade local do Reino de Edom.

“Como consumidor de cobre importado, o Egito tinha um grande interesse em agilizar a indústria. Parece que, através dos  seus laços de longa distância, o império egípcio acabou por ser um catalisador de inovações tecnológicas em toda a região. Por exemplo, o camelo apareceu pela primeira vez na região imediatamente após a chegada de Shoshenq I”, acrescenta o Professor Ben-Yosef.

“As nossas novas descobertas contradizem a visão de muitos arqueólogos de que o Deserto do Arava foi povoado por uma aliança frouxa de tribos, e são consistentes com a história bíblica de que havia aqui um reino edomita“, conclui o Prof. Ben-Yosef. “Uma indústria florescente de cobre no Arava só pode ser atribuída a uma política centralizada e hierárquica, e isso pode-se encaixar na descrição bíblica do reino edomita”.

 

Fonte: Universidade de Tel Aviv; Imagens: (0) Tom Levy / Amigos da TAU; (1) Richardprims

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

A Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de transferência bancária.

MB Way: 919983484

Netbanking ou Multibanco:

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Ciência, Cultura

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.