António Fernandes

Debate | Costa e Rio: um duelo de titãs

Debate | Costa e Rio: um duelo de titãs

Pub

 

 

Perante a Nação, António Costa, Secretário Geral do Partido Socialista, e Rui Rio, Presidente do Partido Social Democrata, dirimiram pontos de vista diferentes, como seria de esperar, sobre as políticas que defendem para o País.

Foi um diálogo aceso em determinados momentos e morno quanto baste na sua generalidade.

Um defendeu a sua governação sem recurso ao estado das contas públicas ou à calamitosa situação política do País e económica das famílias, entre outros efeitos da nefasta governação que o precedeu e que deixou o País numa situação de eminente colapso social e financeiro, usando argumentação de estadista em exercício de função e de quem continuará nesse exercício após as eleições legislativas de outubro.

O outro tentou desvirtuar essa governação com premissas de uma conjuntura internacional circunstancial favorável, omitindo as circunstâncias em que o seu interlocutor assumiu o poder, bem como as circunstâncias em que o fez uma vez que o Partido Socialista não ganhou as eleições e que o argumento ao tempo usado pelos seus colegas de partido era no sentido da realização de eleições antecipadas, acusando António Costa de “usurpação” de poder ao aceitar governar uma maioria Parlamentar a que chamaram “Geringonça”.

Rui Rio muniu o discurso com uma linguagem corrida do agrado do cidadão eleitor. Que, diga-se, lhe é peculiar.

Não entenderam, ou não o quiseram, os comentadores do nosso lastro político partidário, enveredando por conclusões já banalizadas de vencedor ou de vencido neste tipo de intervenção tida por debates sabido que é não corresponderem a esse desígnio, uma vez que qualquer líder partidário aquilo que faz é tentar passar para o eleitorado e para os cidadãos em geral a sua mensagem politica do modelo de sociedade que pretende implementar se for poder e quais as múltiplas diferenças que os distanciam dos demais partidos políticos.

A questão central é que o objetivo de ambos os interlocutores não foi o augurado pelos analistas, mas foi o que cada um a si próprio impôs como meta.

O objetivo de ambos visou estabilizar o voto já decidido e não gerar controvérsia fraturante que deslocasse esse voto já há muito decidido porque em causa esteve a franja do eleitorado que se identifica com a social democracia situada entre o centro direita e o centro esquerda. Que é o espaço político disputado pelos dois partidos do arco do poder.

Neste particular, quer António Costa, quer Rui Rio, estiveram à altura das suas responsabilidades e da sua estatura política e intelectual.

 

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

A Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de transferência bancária.

MB Way: 919983484

Netbanking ou Multibanco:

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

 

Pub

Categorias: Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.