Ricardo Nogueira Martins

Natureza | Tudo é interação (nos 250 anos de Humboldt)

Natureza | Tudo é interação (nos 250 anos de Humboldt)

Pub

 

 

Alexander von Humboldt, geógrafo, naturalista e explorador nascido na Alemanha (1769 – 1859) é um assumido teórico das conexões que sempre apelou  para a diversidade das relações da natureza – o conjunto. Foi ele quem deveras olhou para a natureza como um Todo não detalhando a parte mas sim compreendendo o seu conjunto.

Este pensamento, da conexão e relação, está bem presente por exemplo nas suas reflexões acerca da geografia da flora onde analisou a dispersão de plantas em diferentes latitudes, encontrando semelhanças e padrões na aparente diversidade, estudando as plantas e correlacionando características com diversos fatores “ambientais”.

Em setembro deste ano comemoram-se 250 anos de nascimento de Humboldt.

Apelando à teia de relações da natureza de Humboldt, hoje, a sua produção intelectual que mostra uma clara interdependência entre todos os seres vivos obriga-nos a reflectir que o ecocídio, a destruição da biodiversidade planetária, coloca-nos igualmente como alvos de destruição e suicídio.

Devemos pois entender que as sociedades de consumo são as responsáveis pela destruição do ambiente. Cada um de nós. E é nesta definição de consciência de culpa que devemos constantemente insistir. Somos, em grande parte, dependentes das exploração dos recursos naturais e admiti-lo é meio caminho andado para a consciência ecológica que tanto se apregoa.

Só vamos proteger aquilo que amamos. E Humboldt sentia-o tão bem.

A visão romântica da natureza hoje em desuso e a racionalidade da mesma é compreender a Unidade, em si.

Segundo a ONU, atualmente 55% da população mundial vive em áreas urbanas e a expectativa é de que esta proporção aumente para 70% até 2050.

O simples contacto e fascínio com a natureza produz um efeito calmante, mitigando a dor, segundo von Humboldt. Estudos recentes do botânico Stefano Mancuso, da Universidade de Florença, afirmam igualmente o efeito terapêutico obtido pelo contacto com o mundo vegetal.

Numa qualquer fila de trânsito aproveite para reparar na quantidade de vasos com plantas distribuídos pelas varandas dos apartamentos. É  inato. Natureza (e ser humano) como partes integrantes de um Todo. Imagine as bolhas urbanas sem os espaços verdes. Imagine a montanha de aço que é Nova Iorque sem o Central Park. 

Por esta ordem, o sol, as árvores, o céu, o aço sempre foram os materiais do urbanismo para Le Corbusier. 

Imagem: Alexander von Humboldt on the Orinoco River in Venezuela. Portrait by Friedrich Georg Weitsch, 1806 (Staatliche Museen zu Berlin, Nationalgalerie / fotógrafo: Karin März / montagem: Raufeld Medien)

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

A Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de transferência bancária.

MB Way: 919983484

Netbanking ou Multibanco:

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Crónica, Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.