Paulo Silva, Luísa Santos e Miguel Araújo desenvolvem projeto inspirador

Mobilidade | De Braga a Barcelos, Guimarães e Famalicão, BragaMove ajuda a escolher o melhor meio de deslocação

Mobilidade | De Braga a Barcelos, Guimarães e Famalicão, BragaMove ajuda a escolher o melhor meio de deslocação

Pub

 

 

A pé, de carro, de bicicleta ou de autocarro, a forma como cada pessoa se desloca diariamente tem impacto na dinâmica urbana de cada cidade. Por este motivo, Paulo Silva, Luísa Santos e Miguel Araújo criaram e pretendem desenvolver ainda mais o ‘BragaMove, um projeto inspirador para promover a mobilidade sustentável em Braga. O projeto tem como fonte de inspiração o metrominuto, uma aplicação do Pontevedra Mobilidade e que resulta num mapa que recolhe as caraterísticas da mobilidade sem motor. A partir de redes de percursos propostos, o ‘bragamove’ tem o intuito de fazer (re)pensar a mobilidade de cada um.

 

 

“Este projeto pretende fazer os cidadãos  de Braga (re)pensarem a sua mobilidade com foco em atitudes mais  responsáveis, sendo a [nossa] principal missão motivar escolhas mais  conscientes no que diz respeito à mobilidade”, referem os autores do BragaMove.

Depois de terem começado por dar a conhecer dois mapas de mobilidade relativos exclusivamente à cidade de Braga, um pedonal e um ciclável, o BragaMove apresenta agora um terceiro mapa de cariz regional: o mapa do Quadrilátero Urbano. “Este mapa  compreende um conjunto de informação relativa ao tempo e distância  entre Braga e pontos estratégicos das restantes cidades desta região: Barcelos, Guimarães e Vila Nova de Famalicão. Os edifícios-sede de cada uma das Câmaras Municipais foram considerados como os pontos centrais de referência na ligação entre as várias cidades”.

Os promotores do BragaMove, enquanto utilizadores de transportes públicos, revelam que a sua intenção, no que se refere ao desenvolvimento do mapa do Quadrilátero Urbano, “surgiu da necessidade de compreender alternativas de mobilidade existentes na ligação entre  Braga e as restantes cidades do Quadrilátero Urbano, não descuidando a  sua viabilidade. Consideramos de extrema relevância a análise das  soluções de mobilidade que existem na e para a cidade de Braga,  relativamente a cidades vizinhas, pois acreditamos que podem ser  fundamentais para a promoção da qualidade de vida dos bracarenses”, mas não só.

A informação sobre a distância e o tempo de cada percurso variam de acordo com o meio de transporte escolhido. Assim, “o principal objetivo  deste mapa é mostrar as várias possibilidades para partir de uma  cidade em direção a outra, utilizando diferentes meios de transporte:  autocarro, comboio, carro e bicicleta sem assistência elétrica, em  articulação com percursos pedonais”.

Nos percursos de comboio são apresentados dois tempos, correspondendo aos tempos mínimo  e máximo de viagem. Em relação aos percursos de bicicleta foram efetuados por estrada e calculados com base numa velocidade média de 15km/h, considerando uma bicileta sem assistência elétrica; é proposto o caminho mais curto. No que se refere aos percursos de automóvel, os resultados foram obtidos via dados extraídos da aplicação Google Maps, não tendo sido considerados percursos de autoestrada; em horas de ponta os valores considerados podem variar significativamente. Por último, os percursos realizados a pé foram calculados com base numa média de 5km/h.

Braga a Famalicão tem percurso mais rápido

Considerando que todas as cidades abrangidas se encontram a cerca de 20km de distância de Braga, o BragaMove assinala ser “possível realizar entre elas um percurso de bicicleta [sem assistência elétrica] em cerca de 1h30.

Há, no entanto, um percurso que se revela mais  eficiente, no que diz respeito à duração da viagem, em todos os modos  de transporte, com exceção da utilização da bicicleta devido aos  declives acentuados de algumas partes do percurso, como é o caso da distância entre Braga e Vila Nova de Famalicão.

Utilização de comboio entre cidades do Quadrilátero é ineficiente

Por outro lado, o percurso entre Braga e Guimarães, de comboio, pode ser considerado  o menos eficiente, no que diz respeito à duração da viagem, pois,  mediante o horário escolhido, a duração total da viagem poderá chegar  a 3h21 (incluindo percursos pedonais). No período da manhã e da  tarde, a duração da viagem varia entre 1h15 e 2h03 (excluindo  percursos pedonais), verificando-se um aumento significativo num  horário do período noturno.

Também o percurso entre Braga e Barcelos, de comboio e mediante o  horário escolhido, se mostra ineficiente, podendo ter uma duração  total de 2h51(incluindo percursos pedonais). Verifica-se que a  duração da viagem no período da manhã pode variar entre 32m e 44m, no  período da tarde varia entre 30m a 1h27, atingindo uma duração de  2h22 no período da noite (excluindo percursos pedonais).

BragaMove quer ir mais longe

O projeto BragaMove tem a pretensão de alargar a área de ação a outras  atividades relacionadas com a mobilidade urbana. Projeto voluntário aberto à comunidade, está recetivo a sugestões e apoios por parte de quem queira contribuir para a melhoria do mesmo. Para o efeito poderão  utilizar o email geral@bragamove.pt.

Imagens: BragaMove

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de transferência bancária.

MB Way: 919983484

Netbanking ou Multibanco:

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.