PAN está particularmente preocupado com a situação das águas

PAN – Famalicão | Partido político não entende por que se continua a utilizar o Glifosato nas ruas de Famalicão

PAN – Famalicão | Partido político não entende por que se continua a utilizar o Glifosato nas ruas de Famalicão

Pub

 

 

 

“O PAN Famalicão, após pedido de esclarecimentos e acesso às informações necessárias, continua sem entender o porquê da continuação de uso de herbicidas e pesticidas no nosso Concelho”, considerou o partido político em comunicado emitido e assinado por Sandra Pimenta, representante da Comissão Política Concelhia, depois de ter sido distribuído em espaços públicos um AVISO da AmbiCalendário referindo que ia aplicar um herbicida de uso sistémico e não seletivo em Vila  Nova de Famalicão no passado mês de maio.

 

 

Depois de não há muito tempo ter emitido um Manifesto – intitulado ‘Famalicão Sustentável‘ – dirigido a Paulo Cunha, presidente do Município de Famalicão, onde, entre outras medidas que o PAN considera melhorarem a vida dos famalicenses, instava a autarquia a adotar “o fim do uso de herbicidas/pesticidas em  espaços públicos para controlo de ervas daninhas”, uma vez que “são vários os problemas de contaminação de solos, ar e águas, e até de saúde pública que advêm do uso de herbicidas”, os militantes do PAN – Pessoas – Animais – Natureza esperariam que tal não voltasse a suceder.  Na ocasião, o PAN Famalicão reforçava a mensagem com um “Dizer não aos Herbicidas é dizer SIM às Pessoas” e um estímulo adicional ao autarca revelando acreditar que este seria “sensível para esta causa e problemática”, pelo que daria “a especial atenção que é exigida” ao problema.

O PAN manifesta-se surpreendido e agastado com Paulo Cunha e a autarquia famalicense, porquanto “o resultado das [últimas] análises à água mostra que – entre outros químicos – o Glifosato está presente na nossa água”.

Segundo argumenta Sandra Pimenta, “a Organização Mundial de Saúde declarou o Glifosato como “carcinogéneo provável para o ser humano”. Esta classificação significa que existem evidências suficientes de que o Glifosato causa cancro em animais de laboratório e que existem também provas diretas para o mesmo efeito em seres humanos, embora mais limitadas. Estas conclusões foram obtidas através de estudos efetuados pela sua Agência Internacional para Investigação sobre o Cancro (IARC).

Um estudo realizado, em 2018, em Portugal, pela Plataforma Transgénicos Fora mostra que existe na população portuguesa uma contaminação generalizada por Glifosato, com níveis superiores a 18 países europeus onde também se efetuaram idênticas análises.

O PAN Famalicão lembra ainda que “a Quercus lançou uma campanha em Março de 2014 – Autarquias sem Glifosato – e são muitas as que já aderiram”.

Refere Sandra Pimenta, do PAN Famalicão: “Preocupa-nos particularmente a contaminação das águas. Temos no Concelho fontanários cujo controlo da qualidade da água não é obrigatória, por não serem de origem única de água para consumo, mas que as pessoas abastecem na mesma, como é o caso do fontanário da Aveleira, em Calendário”, a freguesia onde agora o partido constatou estar a ser aplicada a substância que, no seu entender, o não deveria ser. “Estamos certos que em muitas outras [freguesias] o procedimento será igual”.

Sandra Pimenta e o PAN Famalicão pretendem um Concelho livre de herbicidas e pesticidas, “tal como consta no manifesto entregue recentemente” a Paulo Cunha, pelo que concluem não entender “o que está a faltar para uma tomada de posição séria sobre este assunto por parte da Autarquia e Juntas de  Freguesias. Este assunto ser trabalho em conjunto para que mais e e melhores resultados sejam obtidos.

 

Imagens: PAN

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*


 

Pub

Categorias: Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.