UMinho, Braga

Ensino | Inteligência Artificial personalizará escola do futuro

Ensino | Inteligência Artificial personalizará escola do futuro

Pub

 

 

Imagine uma escola em que o professor dispõe de vários assistentes que, além de despacharem as papeladas, estão atentos e preparam formas de apoiar as apetências e dificuldades particulares de cada um dos alunos. Parece difícil? A avaliar pelo debate que decorreu no Instituto de Educação da Universidade do Minho há alguns e que juntou há dias cerca de 200 pessoas na 11ª Challenges – Conferência Internacional de TIC na Educação parece que não. A verdade mesmo é que poderá estar mais próximo do que se possa pensar.

 

 

Com a Inteligência Artificial (IA) como grande aliado, a escola do futuro será uma experiência personalizável, adaptada às singularidades de cada um, em que o professor é quem dirige e garante que a orquestra está sintonizada, resumiu a investigadora Ana Francisca Monteiro, do Centro de Investigação em Educação (CIEd).

Organizada a cada dois anos pelo Centro de Competência em TIC da UMinho, a Challenges discutiu os desafios que as mais recentes inovações tecnológicas representam para a educação, reunindo investigadores, professores, programadores, engenheiros, técnicos e jornalistas. Até porque a IA não vai ser. Já é no presente, frisaram vários palestrantes, referindo-se, por exemplo, a sistemas tutores inteligentes e assistentes pessoais de aprendizagem. Mas também já foi. Ouviu-se que estamos na primavera deste fenómeno. Falou-se de tecnologias, teorias, práticas, pedagogias e dificuldades. E de conceitos novos como educação baseada em dados, learning ou academic analytics e o que nos mostram as últimas descobertas da neurociência.

Participaram deste encontro diversos especialistas de referência nos planos nacional e internacional,  tais como Benedict du Boulay, da International Society for Artificial Intelligence in Education, Marina Bers, investigadora em robótica e programação na infância na Tufts University (EUA), Matthew Montebello, da Universidade de Malta, e Scott Bolland, investigador e empreendedor australiano pioneiro em tecnologias de IA aplicada à educação; a nível nacional intervieram Dalila Durães, da UMinho, Dulce Mota, do Instituto Superior de Engenharia do Porto, Hélder Coelho, do Colégio Doutoral Mente-Cérebro da Universidade de Lisboa, Isabel Alexandre, do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, e Sérgio Ferreira, da Escola Básica e Secundária das Flores (Açores).

O evento encerrou com uma mostra de práticas de integração das tecnologias em escolas portuguesas.

Uma escola imaginada ao contrário

No congresso Challenges também se sonhou. Imaginou-se uma escola ao contrário, em que o que é aborrecido é pouco e o que é divertido e entusiasmante é muito ou é, pelo menos, mais. Para os alunos e para os professores. Com os seus assistentes, o professor terá oportunidade de se centrar no fundamental, isto é, na pedagogia e nos processos de aprendizagem. Já para os alunos antecipam-se tutores virtuais capazes não só de identificar os talentos e dificuldades de cada um, mas também de preparar exercícios ou abordagens personalizadas. Será uma educação em que a informação certa chega ao aluno no momento certo, prevê Scott Bolland.

Mas e se, em determinado momento, o aluno ou professor não quiserem que seja um programa a decidir o seu estilo de aprendizagem? Ou que se saiba o seu estado de espírito? E se quiserem ser eles próprios a tomar estas decisões? Como saber o que o programa decide pelo aluno ou pelo professor? Os riscos também foram para aqui chamados. A IA é tanto melhor quanto mais invisível, concordaram os investigadores e engenheiros em geral.

“Mas são algoritmos e algoritmos são opções. Onde ficam as esferas de decisão?”, questionou António Osório, professor do Instituto de Educação da UMinho. Para dar respostas e usar bem os avanços científicos e tecnológicos, é preciso criar redes interdisciplinares que trabalhem em colaboração, referiu o responsável pela organização do evento.

No final, ficou a aparente segurança de que as máquinas nunca serão humanas e que caberá sempre ao ser humano assegurar que a IA faz o que deve e não o contrário.

 

Imagem: Uminho

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

 

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.