Barcelos

Gastronomia | ‘Queijadinhas de Barcelos’ d’ A Colonial aprovadas nas 7 Maravilhas Doces de Portugal

Gastronomia | ‘Queijadinhas de Barcelos’ d’ A Colonial aprovadas nas 7 Maravilhas Doces de Portugal

Pub

 

 

As “Queijadinhas de Barcelos“, da Pastelaria Colonial, foram selecionadas para a fase final ao nível do distrito de Braga do concurso 7 Maravilhas de Portugal, passando agora à votação do público. O Município barcelense está assim na linha da frente para promover a doçaria tradicional local no âmbito deste concurso tendo por argumento central este doce típico do território.

 

 

A passagem das “Queijadinhas de Barcelos” à fase seguinte do concurso, correspondente a quartos-de-final, é tanto mais importante quanto o concurso envolveu uma vasta concorrência de quase um milhar de doces regionais que passaram pelo escrutínio de um júri de especialistas, e que já garantiu um lugar de destaque nas 7 Maravilhas Doces de Portugal, entre 140 doces finalistas.

O Município de Barcelos apresentou a candidatura à iniciativa “7 Maravilhas Doces de Portugal”, cujo propósito é a eleição dos melhores doces de Portugal, destacando a tradição e a inovação, associada à utilização de produtos endógenos.

Esta candidatura insere-se no âmbito da estratégia do Município de Barcelos, na promoção de uma das suas maiores marcas, a Gastronomia. A área da doçaria integra o Programa dos 7 Prazeres da Gastronomia e reflete a identidade do território de Barcelos, um concelho turisticamente apetecível.

De recordar que o Município de Barcelos passou à segunda fase com os cinco doces com que se candidatou: “Queijadinhas de Barcelos”, “Brisas do Cávado”; “Doce Branco”; “Sonhos”; “Marmelada” e “Isabelinhas”.

As “Queijadinhas de Barcelos” apresentam-se na forma de uma estrela de cinco bicos. A massa do recheio é envolvida em papel de hóstia, a que depois se dá o formato final. Vão ao forno a cozer e, depois de cozidas, são mergulhadas numa calda de açúcar e secam ao ar, o que lhe dá uma cor esbranquiçada. A base do recheio é constituída por amêndoa ralada, puré de batata e pão de ló esfarelado.

Doce antigo com identidade forte, não existem todavia dados muito precisos quanto ao início da sua confeção e autoria. No entanto, alguns documentos referem que estas já existiam por volta de 1900 na Confeitaria Salvação de Barcelos sob a designação “A Bela Queijadinha”. Também outras confeitarias as produziam, tais como A Colonial, confeitaria centenária da cidade de Barcelos, referem outros documentos.

Entre os doces do distrito de Braga que também passaram à fase seguinte das 7 Maravilhas Doces de Portugal encontram-se as Clarinhas de Fão, as Tortas de Guimarães, o Bolinhol de Fão e o Pudim Abade Priscos.

Novidade desta edição é a existência de um grande júri, órgão de deliberação constituído por sete figuras mediáticas, será responsável pela repescagem de oito candidatos que se irão juntar aos 20 pré-finalistas apurados pelo público, resultando numa lista de 28 pré-finalistas. Estes 28 pré-finalistas serão depois divididos por sorteio pelas duas semifinais, a ocorrer nos dias 24 e 31 de agosto, em dois programas transmitidos em direto na RTP1, em horário nobre.

Em cada semifinal são apurados sete doces, aqueles que tiverem mais votos contabilizados. A gala final realiza-se a 7 de setembro e será transmitida pela RTP1, também em horário nobre. Dos 14 finalistas apurados vão ser eleitos pelos portugueses as 7 Maravilhas Doces de Portugal.

A Gala Finalíssima decorre a 7 de setembro de 2019 e será transmitida pela RTP1, em horário nobre. Dos 14 finalistas apurados vão ser eleitos 7 doces pelos portugueses como 7 Maravilhas de Portugal®.

 

Imagens: Município de Barcelos

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.