30/5 a 16/6 Guimarães

Palco | Nos Festivais Gil Vicente o Teatro mostra-se vivo e recomenda-se

Palco | Nos Festivais Gil Vicente o Teatro mostra-se vivo e recomenda-se

Pub

 

 

A 32ª edição dos Festivais Gil Vicente convoca público e artistas para uma prolongada celebração do teatro em Guimarães, este ano, mais longa do que é habitual e afirmando a pluralidade do seu nome, começando no final de maio e prolongando-se por quase três semanas. No programa, que se desenrola entre 30 de maio e 16 de junho, os espetáculos das companhias profissionais vão ser antecedidos pela Mostra de Amadores de Teatro, que leva os grupos não profissionais do concelho ao palco do Centro Cultural Vila Flor (CCVF).

 

 

É uma verdadeira festa para todos os amantes praticantes de teatro em Guimarães, sejam profissionais, amadores ou estudantes. E há formações, oficinas e encontros. A edição de 2019 dos Festivais Gil Vicente (FGV) – assim batizados no plural pela sua atenção a várias artes e não apenas ao teatro – traduz-se em três semanas de comunhão em torno da arte do teatro, da sua prática e fruição, da sua projeção e contaminação na vida de todos os territórios que habita. O teatro viaja por vários palcos de Guimarães – com o CCVF no centro da ação – convocando (e colhendo a energia de) público e artistas para esta ampla comemoração.

Uma semana antes dos espetáculos das companhias profissionais nos Festivais Gil Vicente, seis grupos de amadores de teatro de Guimarães sobem a palco no Centro Cultural Vila Flor para apresentar as suas mais recentes criações. A Mostra de Amadores de Teatro ganha, desta forma, um novo espaço no calendário – 30 de maio a 2 de junho – e uma nova centralidade, retomando o espírito histórico dos Festivais: o cruzamento entre amadores e profissionais do teatro.

Esta quinta-feira, 30 de maio, pelas 21h30, o CETE – Convívio e Teatro Experimental apresenta no CCVF a peça Dores. No dia seguinte, à mesma hora, é a vez do Grupo de Teatro de Campelos surgir com Médico à Paulada, a partir de Molière. A programação de sábado, 1 de junho, começa pela manhã com a Oficina de Teatro com Gonçalo Fonseca e Nuno Preto, que se prolonga durante a tarde, terminando com uma apresentação informal. Com o avançar do dia, surgem Osmusiké para nos dar a conhecer Maria Pardade Gil Vicente, pelas 17h00. O primeiro sábado do festival termina com (A)tentadosde Martin Crimp, peça apresentada pelo grupo ATRAMA a partir das 21h30. O domingo, 2 de junho, começa às 15h00 com O Guardador de Rebanhos a assumir o palco pela mão do grupo ARCAP Ponte, que nos trazem uma peça a partir de Fernando Pessoa e vários outros autores. A ronda de apresentações da Mostra de Amadores de Teatro de 2019 termina com Quando os Animais Governam, a partir de George Orwell, apresentada às 17h00 pelo Grupo de Teatro Citânia – Briteiros, seguida por um Debate Final aberto ao público, às 18h30, no Café Concerto do CCVF.

O programa de espetáculos das companhias e artistas profissionais arranca com Don Juan esfaqueado na Avenida da Liberdadede Pedro Gil, no dia 6 de junho, às 21h30. Ao contrário do que é a tradição, este Don Juan não é heroico. É ingénuo e medroso e, em lugar de enfrentar a figura do comendador, foge. Ao fazê-lo, escapa também da morte e destrói o seu próprio mito. Foi assim que o imaginou Pedro Gil, que, além de dramaturgo e encenador, é também um dos atores desta comédia. Coprodução da Barba Azul, São Luiz Teatro Municipal, Teatro Municipal do Porto e Centro Cultural Vila Flor, esta peça surge em palco com Filipa Matta, Miguel Loureiro, Pedro Gil, Raquel Castro, Rita Calçada Bastos e Tónan Quito como intérpretes.

O dia 7 de junho é marcado pela estreia absoluta da Enseada de Miguel Castro Caldas. Este projeto artístico, com passagem prévia no Centro de Criação de Candoso (CCC) para residência artística na semana anterior, é uma coprodução do Teatro Nacional D. Maria II e do Centro Cultural Vila Flor. Das famílias felizes não costuma rezar a história, dir-se-á, como que parafraseando Tolstói, mas é sobre elas que Miguel Castro Caldas quer refletir. Como criar protagonistas que não estão em conflito?, pergunta à partida para Enseada, espetáculo que marca o seu regresso aos FGV, depois de no ano passado aí ter apresentado Se Eu Vivesse Tu Morrias.

Ao entrar no fim de semana, os Festivais oferecem-nos Sequências Narrativas Completas, uma criação de João Sousa Cardoso, que assim regressa a um lugar habitual da sua criação, a obra do escritor e pintor Álvaro Lapa. Sequências Narrativas Completas era o último livro do autor que lhe faltava levar à cena, o que acontece agora neste espetáculo que é uma reflexão sobre a liberdade e o lugar da palavra pública em Portugal. Mais uma das coproduções do Centro Cultural Vila Flor apresentadas nesta edição dos FGV, neste caso em conjunto com o Teatro Nacional D. Maria II, Teatro Nacional São João, Teatro Viriato e Confederação. Esta peça, interpretada por João Sousa Cardoso, apresenta-se ao público a 8 de junho, às 21h30.

A fechar esta semana e a abrir a próxima, surge uma proposta especial no calendário: Do Avesso, uma visita performativa aos lugares secretos do Centro Cultural Vila Flor, da autoria de Manuela Ferreira, onde o público irá investigar o que se esconde atrás do que está por trás – o que não se vê, o que não está em cena. Armazéns, elevadores, corredores. Os bastidores do CCVF são o cenário e a inspiração para esta visita encenada que mostra um lado deste centro cultural (habitualmente reservado aos artistas e profissionais do teatro) raramente visto pelo público. Do Avesso tem sessão marcada para 9 de junho (domingo) às 17h00.

A vaga final de espetáculos começa com uma estreia convidando-nos a visitar A Praça, em plena Plataforma das Artes e da Criatividade. É no dia 13 de junho, às 21h30, que o Teatro Oficina se cruza com os quase 60 alunos que, ao longodeste ano, participaram nas Oficinas do Teatro Oficina para criarem um espetáculo, dirigido por Gonçalo Fonseca, em que se apropriam da praça exterior do Centro Internacional das Artes José de Guimarães, antigo espaço do Mercado Municipal de Guimarães. Esta praça, como tantas outras, está cheia de acontecimentos, uns maiores, outros mais pequenos. Se nos sentarmos na esplanada a olhar quem passa, quem espera, quem a habita, percebemos que ela não está parada. Ela respira, tem um tempo, por vezes um contratempo. Uma das inspirações para este espetáculo é a obra “A hora em que não sabíamos nada uns dos outros” de Peter Handke, um texto sem texto, ou melhor, sem falas, diz somente as ações de personagens que passam pelo espaço. Entre outras coisas, propõe ao público que se emocione, que invente, que imagine de uma outra forma, da sua forma, as história e as personagens no palco, n’A Praça.

Segue-se, a 14 de junho, à mesma hora, o recém-estreado Parlamento Elefante, projeto vencedor da primeira edição da Bolsa Amélia Rey Colaço, uma iniciativa do Teatro Nacional D. Maria II, do Centro Cultural Vila Flor e do Espaço do Tempo. Eduardo MolinaJoão Pedro Leal e Marco Mendonça imaginam um espetáculo com uma existência prévia: uma criação nascida no início do século XX para ser apresentada em 2019, ano em que já não haveria guerras, ademocracia estaria consolidada e a arte não sofreria censura. Curioso dispositivo para pensar a arte e a política. Os três jovens criadores partem das suas datas de nascimento para, na companhia de Mestre André, abrir caminho a uma reflexão e atravessar acontecimentos históricos, sejam eles o findar de uma guerra ou a estreia de um filme. De Che Guevara ao Capitão América, dos Beatles aos Ace of Base, de Gandhi a Quentin Tarantino, reúnem-se para forjar leis universais, colaborar em conflitos de interesse, manipular massas, falsificar assinaturas e outros planos maléficos. Mas a partir do ponto de vista que lhes permitiu existir: o dos seus antepassados. Agachados numa trincheira ou sentados à mesa duma conferência internacional, revisitam o passado para pensar o presente. E o assunto mantém-se. Democracia.

Mónica Calle marca o último espetáculo desta edição apresentado no Centro Cultural Vila Flor. A encenadora e atriz portuguesa brinda-nos com Ensaio para uma Cartografia às 21h30 do dia 15, sábado. Em cena estão 12 atrizes – Ana Água, Cleo Tavares, Eufrosina Makengo, Lucília Raimundo, Mafalda Jara, Maria Inês Roque, Miu Lapin, Mónica Calle, Mónica Garnel, Roxana Lugojan, Sílvia Barbeiro, Sofia Vitória – sem qualquer experiência de dança anterior, mas dançam. Fazem-no a partir de música clássica (Ravel) e de movimentos de ballet. Mónica Calle testa as fronteiras do teatro e da dança no grande palco do CCVF, com o corpo no centro deste espetáculo que ressurge numa nova montagem, quase quatro anos depois da sua estreia, em resultado de uma carreira fulgurante junto do público e da crítica.

A fechar o elenco profissional desta 32ª apresentação ininterrupta dos Festivais Gil Vicente, somos surpreendidos com uma nova visita performativa, Ponto de Fugadesta vez ao Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG). Nesta viagem performativa – da autoria do ator, encenador e dramaturgo Nuno Preto – os visitantes são autorizados adeixar escapar o olhar para onde, normalmente, não olham e a deixar passar o corpo para onde ele, normalmente, não mexe. A viagem acontece dia 16 (domingo) às 17h00.

 

festa do teatro não estaria completa sem o Gangue de Guimarães e os alunos da Licenciatura em Teatro da Universidade do Minho e das Oficinas do Teatro Oficina, que marcam presença em diversas atividades paralelas como formações, oficinas e encontros ao longo desta edição.

O programa completo dos Festivais Gil Vicente 2019, bem como os bilhetes e assinaturas para os espetáculos e inscrições nas atividades paralelas, encontra-se disponível na página do Centro Cultural Vila Flor. Com diversas atividades de entrada livre, o custo para assistir aos espetáculos pagos varia entre os 2 e os 7,5 euros, existindo ainda a possibilidade de adquirir diferentes assinaturas para o festival.

Breve contextualização histórica dos Festivais Gil Vicente

A sua primeira edição, em 1957, teve lugar inteiramente no Paço dos Duques de Bragança, cujas obras de reconstrução estavam a ser terminadas. Na transição para o novo século, os Festivais Gil Vicente começam a assumir a sua configuração atual, com uma programação assente em companhias profissionais. Em 2001 o evento passa a ser organizado pel’A Oficina, então ainda no auditório da Universidade do Minho. Em 2006, após a inauguração do Centro Cultural Vila Flor, o teatro contemporâneo assume definitivamente o lugar central que continua a ter hoje no certame.

 

Imagens: (0, 3) Mariana C Silva, (1, 2) A Oficina, (4, 6, 8) Município de Guimarães, (5) Maria Begassel, (7) Alípio Padilha, (8) Bruno Simão [todos os direitos reservados]

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Agenda, Cultura

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.