Barcelos

Música | Oboísta barcelense Samuel Bastos morre na Suíça aos 32 anos

Música | Oboísta barcelense Samuel Bastos morre na Suíça aos 32 anos

Pub

 

 

Samuel Bastos, oboísta natural de Oliveira, Barcelos, de 32 anos, faleceu ontem, 18 de maio, na Suissa, onde se encontrava a trabalhar na Orquestra da Ópera de Zurique (Opernhaus Zurich). As causas da morte são ainda desconhecidas, mas a perda irreparável deixa em choque todos quantos o conheciam e anteviam no jovem músico uma carreira longa e extraordinária.

 

 

Nascido em 1987, Samuel Bastos descobriu a música em família. O seu pai, Cândido Alberto Capela Bastos, conhecido empresário com origens no setor das madeiras, da freguesia de Oliveira, onde nasceu, é um verdadeiro melómano e conhecido pela paixão que desde sempre devotou a esta forma de arte, levada ao ponto de ser o regente da Banda Musical de Oliveira e mentor e coordenador da escola de música da freguesia. Era também o fã número 1 do seu filho.

O jovem músico começou a tocar na Banda de Oliveira aos sete anos de idade, tendo começado a dedicar-se ao oboé cerca dos 10 anos de idade. Samuel Bastos foi solista oboísta na Orquestra da Ópera de Zurique, na Suíça, para onde se deslocou como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Aliás, Samuel Bastos foi um dos músicos portugueses da diáspora que integrou a Orquestra XXI, projeto que ganhou o primeiro prémio do FAZ – Ideias de Origem Portuguesa, um concurso da Fundação Calouste Gulbenkian e da COTEC – Associação Empresarial para a Inovação.

O professor e músico Francisco Luís Vieira referiu hoje, na TSF, através da Lusa, que com a morte do oboísta Samuel Castro Bastos se perdeu “um dos melhores da música” à escala internacional, recordando o seu talento, bondade e ligação a Portugal.

“É uma referência nacional e internacional, uma figura de topo na música. Perdemos um dos melhores da música, não apenas um oboísta, mas um dos melhores instrumentistas da atualidade à escala internacional”, disse à agência Lusa Francisco Luís Vieira.

Músico reconhecido no panorama internacional, venceu diversos prémios e competições internacionais em que participou, nomeadamente na competição internacional de oboé Fernand Gillet-Hugo Fox, nos Estados Unidos da América, em julho de 2017.

Ao longo da sua curta vida, Samuel Bastos colaborou com diversas orquestras, incluindo a Orquestra do Festival Tongyeong, na Coreia do Sul, e a Orquestra Mozarteum, de Salzburgo, na Áustria.

Em 2012, o músico foi simultaneamente admitido na Academia Herbert von Karajan da Berliner Philharmoniker e na Zurich Opera House.

Durante a sua curta carreira profissional, Samuel Bastos colaborou também com vários solistas, alguns deles entre os mais aclamados no mundo da música da aatualidade, como Anne-Sophie Mutter e Hélène Grimaud, Heinz Holliger e Maxim Vengerov.

 

Imagens: (0, 1) Mário Jorge Silva

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Sociedade

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.