António Fernandes

Regras | Um exercício de inteligência, nada mais!

Regras | Um exercício de inteligência, nada mais!

Pub

 

 

Há dois vetores a ter em conta no comportamento dos homens por serem sociologicamente os mais comuns, a saber: pragmatismo e consciência.

Estes dois vetores são de atitude transversal em que assenta o comportamento comum em sociedade: o pragmatismo que reporta aos meios que melhor conduzem aos fins pretendidos, a consciência que reflete comportamento equilibrado por sensato e que tem em conta o meio envolvente como condição.

Ora, nos tempos que correm, a condição de sobrevivência já não é motivo principal, num quotidiano complementar porque se lute.

O motivo central de luta quotidiana passou a ser o da melhoria da qualidade de vida que as gerações foram conquistando e legando à geração seguinte.

Neste contexto, os diversos segmentos das sociedades organizadas por interesses: de hierarquias, de classe, ou outro, em torno de interesses comuns, foram eliminando assimetrias, barreiras, e outros fatores de diferenciação entre as classes sociais; etnias; raças; credos; e outros, existentes; visando um objetivo claro: o da melhoria das condições de vida das populações em geral, e do conhecimento em particular, mas que, por circunstâncias afetas à evolução, se generalizou também.

Estas duas condições: de vida, por imperativos óbvios, e do conhecimento na busca constante de um saber que permita ao homem vislumbrar para além de si próprio, têm sido, ao longo dos tempos, o mote das várias correntes do pensamento ideológico, sendo que por ideológico não é correto aferir pensamento político-partidário. Até porque a expressão do pensamento avoluma mais conteúdo filosófico do que qualquer outro.

Esta dinâmica funcional da organização social tem permitido avanços significativos à espécie Humana desde a sua existência no Planeta, avanços esses, com maior expressão social no período de transição do século XX para o século XXI, nos domínios antes referidos.

Da dicotomia inicialmente descrita, pragmatismo e consciência, importa, para o fim à discussão, reportar ao tempo presente, tempo em que se questionam mais os Homens do que a sua organização política e social.

Ora, dessa organização, o modelo é o cerne. E, o modelo, tem nos partidos políticos e demais agentes sociais, a sua matriz de identidade coletiva, uma identidade que não renega o cordão umbilical porque esse é o embrião genético dessa mesma identidade.

Nesta linha de raciocínio é legítimo tentar perceber o que leva uma determinada geração a ajuizar ter sido a única a fazer caminho, condição essa que legitima o juízo de que uma geração que assim pensa não tem a mínima noção da responsabilidade social e histórica do legado transitado.

Este legado não admite roturas por impossibilidade de juízo e de senso racional. Quanto muito, admite novos caminhos, novas perspetivas, novas soluções, o que tem sido uma condição constante e que terá de continuar a ser.

Porque todo o legado transitado é intrínseco à construção dos valores de suporte ao intelecto que cada um dispõe:

  • À memória:
  • Ao passado.
  • Ao presente.
  • Ao futuro!

Desde o Homem das cavernas ao Homem das cidades!

Não compreender esta evidência é não perceber que uma sociedade, para estar organizada, tem de ter regras e de que qualquer processo, revolucionário que seja, também tem as suas regras. E que essas regras interagem com as regras em vigor que só serão alteradas em circunstância de ocorrência de processos revolucionários, a seu tempo.

  • É dos livros!
  • É da História!
  • É um mero exercício de inteligência, nada mais!

 

Imagem: Ashley Maze

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

 

Pub

Categorias: Crónica, Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

António Fernandes

António da Silva Fernandes nasceu em 1954, em S. José de S. Lázaro e reside atualmente em S. Mamede de Este, em Braga. É chefe de serviços da Alcatel. Como dirigente associativo, esteve e/ou está envolvido com: ACARE; GETA; Academia Salgado Zenha; Academia Sénior Dr. Egas; Associação de Pais da Escola Dr. Francisco Sanches; APD - Associação Portuguesa de Deficientes; Associação de Solidariedade Social de Este S. Mamede. Ao longo da sua vida, desenvolveu atividade política no MDP/CDE; JCP; PCP; LIESM-Lista Independente de Este S. Mamede; Comissão Política do Partido Socialista - Secção de Braga; Clube Político do Partido Socialista - Secção de Braga. Na política autárquica, desempenhou funções na Assembleia de Freguesia e no Executivo da Junta de Freguesia de Este S. Mamede. Desenvolve atividade na escrita: Poesia em antologias nacionais e plataformas digitais; Artigos de Opinião em Órgãos de Comunicação Social local e nacional, em suporte de papel e digital quer em blogues quer em Órgãos da Comunicação Social escrita. Colaborador na Rádio: R.T.M. (Solidariedade); Antena Minho (Cumplicidades).

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.