Livros | Elisa e Marcela são ‘Amantes de Buenos Aires’ em amor proibido narrado por Alberto S. Santos

Livros | Elisa e Marcela são ‘Amantes de Buenos Aires’ em amor proibido narrado por Alberto S. Santos

Pub

 

 

Com base numa história verdadeira, plena de emoção, do início do Século 20, Amantes de Buenos Aires é o novo romance histórico de Álvaro S. Santos, autor de alguns dos maiores sucessos editoriais dos últimos anos em Portugal, como A Escrava de Córdova O Segredo de Compostela.

 

 

No dia 2 de maio, a Porto Editora fez o lançamento editorial de Amantes de Buenos Aires, de Alberto S. Santos, livro que marca o regresso de um dos autores portugueses de romances históricos de maior sucesso da atualidade.

A história de Elisa e Marcela é uma história do Porto. Fazia por isso mesmo todo o sentido que a primeira apresentação de Amantes de Buenos Aires fosse realizada na mesma cidade que viu esse intenso e desregrado amor surgir, o que aconteceu pouco depois do lançamento no Ateneu Comercial do Porto, em conversa com o autor conduzida por Lúcia Gonçalves, jornalista da SIC, e que contou com as participações especiais de Domingos Andrade, diretor do Jornal de Notícias, e Germano Silva, também jornalista e cronista especializado na história das gentes do Porto.

Posteriormente o livro foi também já dado a conhecer ao público no LeV – Literatura em Viagem, em Matosinhos, em apresentação conjunta de Alberto S. Santos e Vítor Pinto Basto, em que os autores conversaram com Fernando Rocha e Júlio Magalhães sobre as suas mais recentes obras publicadas no mercado português, o presente Amantes de Buenos Aires e O rapaz que queria aprender a olhar, respetivamente.

Elisa e Marcela, um casamento de verdade

Em 1901, uma história chocava Espanha, com a indignação espelhada em primeiras páginas de jornais, revolta popular e perseguição por parte das autoridades. Elisa e Marcela, duas mulheres naturais da pequena vila de Dumbria, na Galiza, tinham enganado a Igreja Católica e obtido o sacramento do casamento. No altar estavam Marcela e Mário, na verdade, Elisa – de cabelo curto, trajes masculinos, história forjada. E é assim que, em 1901, é consagrado o primeiro casamento homossexual na história da Igreja Católica. A felicidade deste momento não haveria de durar muito, com a descoberta e as repercussões sociais do “casamento sem homem”.

Procuradas pela justiça espanhola e em fuga das autoridades, Elisa e Marcela atravessaram a fronteira, em busca de asilo. Encontraram-no na cidade do Porto, tendo sido defendidas tanto pela população como pelas autoridades. Ainda assim, acabaram por ser presas, julgadas e absolvidas. Em 1902, há outro elemento que as coloca, ainda mais, debaixo do escrutínio do povo: “o casal sem homem” acabara de ter uma filha.

Elisa e Marcela, Amantes de Buenos Aires

É desta história real que nasce Amantes de Buenos Aires. Numa trama envolvente, Alberto S. Santos cria uma saga familiar que cruza várias gerações e acompanha este amor clandestino de 1901 até aos dias de hoje.

Este é um romance intenso que se inspira na história real de Elisa e Marcela, duas mulheres apaixonadas que se casaram no altar, um século antes da legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Elisa cortou o cabelo, trocou as saias por calças e criou uma infância em Londres, o suficiente para se fazer passar por Mário e se casar com Marcela. Mas os dias felizes estavam contados com a descoberta e a repercussão social do “casamento sem homem”, e o casal depressa se viu obrigado a exilar-se. Tudo se adensou quando, já casadas, Marcela deu à luz uma filha, um mistério que carrega de drama e emotividade esta poderosa história de amor, cujos ecos ultrapassam as contingências do tempo.

Alberto S. Santos parte deste caso verídico para criar uma fascinante saga familiar na qual se cruzam várias gerações de mulheres de forte personalidade, que lutam pela verdade do passado que as une. Numa vertiginosa viagem de cem anos, o leitor assiste ao nascimento do tango nos prostíbulos de Buenos Aires e emociona-se com as gentes do Porto, a cidade que se uniu para acolher a coragem e a grandeza de um amor clandestino.

Álvaro S. Santos, autor, advogado e conferencista, é apaixonado pelos factos inesperados da História e afirmou-se na ficção histórica criada a partir de marcantes acontecimentos reais, mas pouco conhecidos do grande público. Publicou os romancesbestsellers A Escrava de Córdova (2008), A Profecia de Istambul (2010), O Segredo de Compostela (2013), Para lá de Bagdad (2016) e Amantes de Buenos Aires (2019). É também autor da coletânea de histórias A Arte de Caçar Destinos (2017) e participa na série de contos de autores lusófonos Roça Língua (2014). Está ainda ligado à criação e curadoria do Festival Literário “Escritaria” e à comissão científica da “Rota do Românico“.

A próxima apresentação de Amantes de Buenos Aires está para muito breve e acontece em Penafiel, no dia 17 de maio, pelas 21h30, no Pavilhão de Feiras e Exposições, em encontro com o radialista Fernando Alves.

 

Imagens: Porto Editora

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco. Se é uma empresa ou instituição, o seu contributo pode também ter a forma de publicidade.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Cultura

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.