António Fernandes

Educação | Esculpir é urgente

Educação | Esculpir é urgente

Pub

 

 

Há por aí uma nova forma de esculpir a “pedra” em que parte da massa cerebral se transformou independentemente da escolaridade, idade, ascendência social, exercício profissional, ou outro.

O meu avô, mestre pedreiro, de nome Manuel Fernandes, já falecido, que esculpiu parte da estatuária existente no Bom Jesus do Monte, cedo se habituou a lavrar com cinzel pedaços de granito com a dimensão ajustada ao artefacto pretendido.

Outros tempos.

Tempos em que a educação ministrada pelo regime só estava ao alcance de alguns. Por isso, a liberdade e criatividade do pensamento intelectual era autodidata por necessidade.

Com os novos tempos, a formatação do intelecto progrediu no sentido do conhecimento, mas regrediu naquilo que são os valores Humanos.

Importa por isso fazer ato de contrição e perceber o que se passou no ensino nas ultimas quatro décadas.

Porque os exemplos com que nos confrontamos são maus de mais para que se conclua com ligeireza a única e exclusiva responsabilidade política, sabendo nós que os políticos que temos são um produto-resultado.

A classe docente, que emergiu de um processo com necessidades específicas mo tempo, não se preocupou o suficiente com a excelência que a sua responsabilidade inerente obrigava e, quatro décadas depois, os resultados estão aí:

– Falta de auto-estima;

– Falta de referências;

– Falta de confiança;

– Falta de iniciativa;

– Falta de vontade;

– Falta de soluções;

– Falta de capacidade para a crítica e a autocrítica;

– Falta de capacidade em assumir os erros cometidos;

– Outros;

Num vasto leque de limitação autónoma conhecida.

Formou-se um “exército” de técnicos servis em qualquer parte do globo.

O que não se foi capaz de formar foi uma geração de Homens genuínos preparados para enfrentar, corrigir e resolver vicissitudes surgidas com a alteração de hábitos, usos e costumes, em função da nova realidade implícita à exploração e transformação dos bens essenciais à vida e da vida em si mesma.

A conjuntura existencial mudou;

As necessidades Humanas são outras;

A organização social é diferente.

A Direita mais conservadora tem esta perceção e move-se em defesa do ensino privado. Tenta conseguir o retrocesso do sistema educativo, que controla maioritariamente, de modo a que a formação académica seja estatuto social e não a formação de uma sociedade no seu todo a que só um serviço público eficaz dá garantia porque o seu controlo político-financeiro é impossível.

A educação depende sempre da competência, conhecimento e capacidade dos seus profissionais, não depende de quem a financia. Infelizmente alguns profissionais confundem respeito com salário o que inquina o conceito em concreto e desvirtua a imagem social.

Do mesmo modo, também é certo que a maioria dos profissionais tende a separar a responsabilidade e o respeito daquilo que é a sua justa remuneração pugnando por um ensino público igual para todos.

Carece por isso, a Educação, de ser esculpida por valores maiores, aqueles valores que lhe transmite o senso e o consenso; a solidariedade; a justiça social; o conhecimento magno.

Não é uma tarefa fácil para uma geração de políticos, resultado de um processo específico, encontrar soluções académicas ajustadas, mas é possível.

É possível porque a conjuntura social o exige, mas também porque o futuro das novas gerações o impõe.

As questões de somenos importância terão sempre um trato menor naquilo que é a evolução das sociedades política e socialmente organizadas.

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é cidadania e serviço público.

Diário digital generalista de âmbito regional, a Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos, entre os quais se podem referir, de forma não exclusiva, a manutenção e renovação de equipamento, despesas de representação, transportes e telecomunicações, alojamento de páginas na rede, taxas específicas da atividade.

Para lá disso, a Vila Nova pretende pretende produzir e distribuir cada vez mais e melhor informação, com independência e com a diversidade de opiniões própria de uma sociedade aberta.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de donativo através de mbway, netbanking ou multibanco.

MBWay: 919983484

NiB: 0065 0922 00017890002 91

IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91

BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Crónica, Política

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

António Fernandes

António da Silva Fernandes nasceu em 1954, em S. José de S. Lázaro e reside atualmente em S. Mamede de Este, em Braga. É chefe de serviços da Alcatel. Como dirigente associativo, esteve e/ou está envolvido com: ACARE; GETA; Academia Salgado Zenha; Academia Sénior Dr. Egas; Associação de Pais da Escola Dr. Francisco Sanches; APD - Associação Portuguesa de Deficientes; Associação de Solidariedade Social de Este S. Mamede. Ao longo da sua vida, desenvolveu atividade política no MDP/CDE; JCP; PCP; LIESM-Lista Independente de Este S. Mamede; Comissão Política do Partido Socialista - Secção de Braga; Clube Político do Partido Socialista - Secção de Braga. Na política autárquica, desempenhou funções na Assembleia de Freguesia e no Executivo da Junta de Freguesia de Este S. Mamede. Desenvolve atividade na escrita: Poesia em antologias nacionais e plataformas digitais; Artigos de Opinião em Órgãos de Comunicação Social local e nacional, em suporte de papel e digital quer em blogues quer em Órgãos da Comunicação Social escrita. Colaborador na Rádio: R.T.M. (Solidariedade); Antena Minho (Cumplicidades).

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.