23 a 25/5 Literatura

Raias Poéticas | Afluentes ibero-americanos de arte e pensamento reacontecem em Vila Nova de Famalicão

Raias Poéticas | Afluentes ibero-americanos de arte e pensamento reacontecem em Vila Nova de Famalicão

Pub

 

 

De 23 a 25 de maio próximo, em Vila Nova de Famalicão, as Raias Poéticas têm a sua 8ª edição. Organizadas por Luís Serguilha, escritor famalicense domiciliado no Brasil, país onde tem encontrado enorme sucesso com uma forma de escrita radical e inovadora, as Raias Poéticas têm vindo a afirmar-se no panorama literário português como um encontro literário sui generis sobretudo de escritores – principalmente poetas -, mas também de outros interessados nas artes da escrita e não só,  ao longo dos últimos anos.

 

 

Ao longo das suas 7 prévias edições, as Raias Poéticas, apesar da sua pequena dimensão, têm-se conseguido destacar-se como um evento literário alternativo às grandes produções do género que acontecem em Portugal, nomeadamente as Correntes de Escrita, na Póvoa de Varzim, e o Escritarias, em Penafiel.

Na edição 2019 das Raias Poéticas, prevê-se encontrem os presentes alguns habituées, como Tiago Alves Costa (poeta, ensaísta, Galiza), Luís Filipe Sarmento (escritor, tradutor, Portugal), Jorge Velhote (poeta, fotógrafo, ensaísta, Portugal), Aurelino Costa (poeta, ator, Portugal), mas também novidades, como João Mendes Rosa (poeta, ensaísta e curador de arte, Portugal), Vítor Cardeira (poeta, Portugal) e os famalicenses  Júlio Sá (professor de literatura portuguesa) e Helena Amaral Correia Romão (pintora, galerista e professora, Portugal) que surfarão duas das sessões de trabalho.

Assentando as suas premissas numa forma de viver a vida em que a arte é centro de ação, em rotura com um quotidiano asfixiante, as Raias Poéticas pretendem romper com as mais comuns formas de discurso.

Dê-se a palavra ao curador das Raias Poéticas:

“Acontecer numa multidão sem sujeito, catalizando encontros que capturam futuros libertadores do passado, sim, exijo em mim a inocência que experimenta a aprendizagem da diferença dentro do acaso impulsionador das singularidades…o corpo com ritmos próprios, intensifica processos criativos fora das axiomáticas representativas e da igualização moralista imbecilizadora: não é com ideais, fatalidades, assujeitamentos ou com julgamentos insaciáveis que assimilaremos os sentidos vitalistas, sim, existir é ter a capacidade de fugir às garras do controle das máquinas sociais porque não se pode ser revolucionário carregado de ressentimentos, não podemos transmutar o mundo, geridos pela consciência apinhada de imagens culpabilizantes, não nos revigoramos reféns de gurus, de figuras, de formas… só mudaremos a vida se criarmos, inventarmos aliados à epiderme do devir em acto porque a presença modificadora é uma passagem durável, é uma força plena do acontecimento, é a alegria guerreira que jamais esperará por qualquer recompensa, qualquer bajulação, sim, alegria quebra o espelho e produz novos lugares, novas nuances, novas realidades: são as ressonâncias das superfícies lisas e de coexistência de tempos dilatados que derrubam as entropias de quem tenta fazer da existência uma acusação…só poderá ser dono do seu destino quem é generoso, só é generoso quem confia na VIDA!”

“HAJA RAIAS!

Cartografias aberrantes, turbulentas, plissadas, labirínticas, heterogéneas, ANORGÁNICAS( FAZER um CORTE no CAOS)
ANDAR-nas-RAIAS, no intermezzo, no entre-dois: tornar visível o invisível, tornar audível o imperceptível, tornar dizível o indizível, o intraduzível!
Haja cirandas estéticas-éticas-hápticas!
Haja pensamentos intensivos e potências do impensado!
Haja diferenças, experimentações e acontecimentos críticos!
Haja paradoxalidades, contágios, alegria dos encontros, composições afectivas!
Haja tempo puro, conexões-desejantes, dobras heterogéneas !
Haja línguas analfabetas-agramaticais e sombras expressionistas
Haja inconsciências, a-consciências, afectologias, complexidades!
Haja problematizações, transgeografias, topologias intempestivas!
Haja sensações, coexistências de loucuras que dizem SIM à vida!
Haja forças singulares, alógicas, aformais: haja corpos indomáveis!
Haja devires, espaços lisos e processos em variação!
Sentir os lances do acaso e mergulhar no IMPERCEPTÍVEL!!”

Programação

23 de maio
Casa do Território (Parque da Devesa)

24  e 25 de maio
Casa das Artes, Vila Nova de Famalicão

Curadoria: Luís Serguilha

Organização: Associação RAIAS-POÉTICAS

Apoio: Município de Famalicão

23 Maio

17h30 – Raias Sonoras

Filipe Campos Melo; Aurelino Costa; Manu Bezerra de Melo; Maria Toscano; João Manuel Ribeiro; Minês Castanheira; Alcimar Souza Lima; Orlando Alves; Abreu Paxe

18h30 – Dobras do Pensamento

O artista fez um pacto com a vida e com o pensamento: quebrar clichés!

Joaquim Pimenta; Fernando Barbosa; Alcimar Souza Lima

Surfista: Helena Amaral Correia Romão

24 Maio

17h00 – Raias Sonoras (poetas)

Tiago Alves Costa; Carla Carbatti; Alfredo Ferreiro; Carlos Nuno Granja; Maurício Vieira; Adília César; Vasco Catarino Soares; Vítor Cardeira; Luís Filipe Sarmento

18h00

Paulo Cunha, Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão

18h30

Raias Sonoras (poetas)

Fê-Luz; Ângela Almeida; Carla Muhlhaus; Alberto Pereira; Mariana Portela; Jaime Rocha

19h00 – Dobras-de-Pensamento

Escrever é tornar-se um bastardo, um traidor, um sintomatologista!

Paulo P Domenech Oneto; Domingas Monte; Alcimar Souza Lima

Surfista: Elisa Costa Pinto

25 de maio

10h00

Dobras-de-Pensamento

O Escritor produz uma língua fora da maioria: uma língua que atinge o sublime quando o escritor deixa de ser escritor: o agramatical!

Leonardo Maia; Anton Adam Freire; Abreu Paxe

Surfista: Júlio Sá

15h00

Dobras-de-Pensamento

A DANÇA é um POEMA em construção na ruptura das palavras

Ana Vitória; Helia Borges; Cristina Benedita

Surfista: Paxton Bausch

17h00 – Raias Sonoras (poetas)

Bruno M. Silva; Virna Teixeira; João Mendes Rosa; Gisela Casimiro; Francisca Camelo; Jorge Velhote

18h00 – Dobras-de-Pensaemnto

O ACTOR atinge o animal em si: é a força do corpo do poema: dobra, desdobra a voz, a palavra e o falso, diluindo os limites dos órgãos

Luísa Monteiro; Jaime Rocha; Thiago Arrais

Surfista: Celina Coelho Almeida

Fotografia: José Lorvão

Revista LITERÁRIA: ‘palavra comum’ – Alfredo Ferreiro, Tiago Alves Costa

Escritores, académicos, professores, poetas, artistas convidados:

Paulo Guilherme Domenech Oneto (Professor UFRJ, Brasil e Birkbeck, University of London); Leonardo Maia (Professor UFRJ, Brasil e Université de Paris); Ana Vitória (Coreógrafa, Bailarina, Professora universitária na Angel Vianna, Brasil) Jorge Velhote (poeta, fotógrafo, ensaísta, Portugal); Luís Filipe Sarmento (escritor, tradutor, Portugal); Filipe Campos Melo (poeta, Portugal); Aurelino Costa (poeta, ator, Portugal); Tiago Alves Costa (poeta, ensaísta, Galiza); Alfredo Ferreiro( poeta, ensaísta, Galiza); Abreu Paxe (poeta, ensaísta, professor universitário, Angola), Jaime Rocha (poeta, dramaturgo), José Lorvão (fotógrafo, Portugal); Luísa Monteiro (escritora, ensaísta, dramaturga e professora universitária); Carla Carbatti (poeta, ensaísta, Brasil); Anton Adam Freire (professor, escritor, Espanha); Mariana Guimarães (jornalista); Thiago Arrais (Professor universitário, encenador, Brasil); Alcimar Souza Lima (psiquiatra, escritor e professor universitário, Brasil); Mariana Portela (poeta, Brasil); Bruno M. Silva (poeta, Portugal); Virna Teixeira (tradutora, poeta, editora, Brasil); Francisca Camelo (poeta, Portugal); Alberto Pereira (poeta, Portugal); Elisa Costa Pinto (professora e autora dos manuais Sinais, Signos e Plural, Portugal); Adília César (poeta, editora, Portugal); Ângela Almeida (ensaísta, investigadora científica, poeta, Ilha dos Açores); Carla Muhlhaus (escritora, ensaísta, Brasil); Manu Bezerra (poeta, Cronista, Brasil); Domingas Monte (escritora, Professora da Faculdade de Letras/Univ Agostinho Neto e CEO da Associação Mwelo Weto, Angola); Gisela Casimiro (poeta, fotógrafa, Guiné Bissau); Vítor Cardeira (poeta, Portugal), Fê-Luz (poeta, artista plástica, Brasil); Maurício Vieira (poeta, Brasil); João Mendes Rosa (poeta, ensaísta e curador de arte, Portugal); Carlos Nuno Granja (poeta e curador literário, Portugal); Maria Toscano (poeta, professora universitária e actriz, Portugal); Celina Coelho Almeida (psicoterapeuta, Portugal); Vasco Catarino Soares (poeta, neurocientista, Portugal) Hélia Borges (psicanalista, pesquisadora e professora universitária na Angel Vianna, Brasil); João Manuel Ribeiro (poeta, editor, Portugal); Júlio Sá (professor de literatura portuguesa); Helena Amaral Correia Romão (pintora, galerista e professora, Portugal); Orlando Alves (poeta, Portugal); Minês Castanheira (poeta, Portugal); Cristina Benedita (professora de dança, pesquisadora Univ. Nova Lisboa, Portugal); Mônica Luhuma (Faculdade de Letras da Universidade Agostinho Neto, Angola); Joaquim Pimenta (Professor, Artista plástico-fotografia, Curador de Arte, Portugal); Fernando Barbosa ( Dinamizador Cultural, Curador de Arte, Portugal)

Imagens: José Lorvão

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à sua manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de transferência bancária.

MB Way: 919983404

Netbanking ou Multibanco:

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

Pub

Categorias: Agenda, Cultura, Destaque

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.