6/4 Matosinhos

Poesia | ‘Odeio este tempo detergente’ apresenta a poesia de Ruy Belo em Matosinhos

Poesia | ‘Odeio este tempo detergente’ apresenta a poesia de Ruy Belo em Matosinhos

Pub

 

 

 

Dezassete poemas de Ruy Belo dão o mote para o espetáculo “Odeio este tempo detergente” que, no sábado, às 21h30, sobe ao palco do Teatro Municipal de Matosinhos Constantino Nery. Concebido por Ana Nave, que divide a interpretação com Maria João Luis, o espetáculo mergulha na melancolia e nas perplexidades de um dos maiores poetas portugueses do século XX.

 

Conjugando-se com as notas da guitarra interpretada ao vivo por José Peixoto, poemas como ‘Certas formas de nojo’, ‘Espaço preenchido’, ‘Povoamento’, ‘Elogio de Maria Teresa’ e ‘Um dia não muito longe, não muito perto’ remetem para um corpo poético atravessado por uma ideia de construção feita de casas, pássaros, árvores, homens em trânsito, jogos de luzes e sombras com o espaço e o tempo.

“Mas eu aqui completamente envolto neste tempo detergente

é da segunda-feira e da semana que preciso pois

posso lutar melhor por uma luz melhor

do que esta luz do mar à hora do entardecer

É da cidade é da publicidade é da perversidade

que preciso e não tenho aqui na praia”

escreveu Ruy Belo. E as palavras, selecionadas por Rui Lagartinho, tomam agora as vozes de Ana Nave e Maria João Luis, e contam o aborrecimento e a efemeridade que talvez sejam ainda os nossos e os de todos os tempos.

Estreado em março no Teatro S. Luiz, em Lisboa, o espetáculo iniciou recentemente uma digressão por vários palcos nacionais, apresentando-se em Matosinhos também com as subtis ironias de poeta que dialogava com as vogais e as consoantes. “Venho da vida e trago uma gramática”, escreveu.

O espetáculo integra ainda histórias pessoais contadas pela mulher de «riso claro» e «graça inesperada» invocada no poema ‘Elogio de Maria Teresa’, dialogando igualmente com as histórias daquela década de 1960 que os versos de Ruy Belo habitaram, quais melopeias sufocadas de humanidade e perplexidade.

Ruy Belo publicou oito livros de poemas originais, hoje reunidos no volume Todos os Poemas, que têm vindo a ser distinguidos pela crítica, um volume de ensaios sobre poesia e diversas traduções, além de ter colaborado na imprensa. Morreu aos 45 anos e a sua obra é hoje em dia considerada uma das mais brilhantes das letras portuguesas o Século XX.

**

*

Se chegou até aqui é porque provavelmente aprecia o trabalho que estamos a desenvolver.

Vila Nova é gratuita para os leitores e sempre será.

No entanto, a Vila Nova tem custos associados à sua manutenção e desenvolvimento na rede.

Se considera válido o trabalho realizado, não deixe de efetuar o seu simbólico contributo sob a forma de transferência bancária.

MB Way: 919983404

Netbanking ou Multibanco:

NiB: 0065 0922 00017890002 91
IBAN: PT 50 0065 0922 00017890002 91
BIC/SWIFT: BESZ PT PL

*

 

Pub

Categorias: Agenda, Cultura

Acerca do(a) Autor(a) do artigo

Escreva um comentário

Apenas utilizadores registados podem comentar.